Guarujá capacita estagiários para atuar junto a alunos com síndrome de Down

Esta é a primeira capacitação da série de especializações voltada à deficiência intelectual

Comentar
Compartilhar
06 ABR 201513h12

Preocupada em promover a qualificação de equipe e seus serviços, na última semana, a Prefeitura de Guarujá proporcionou para os estagiários que atuam na Secretaria Municipal de Educação (Seduc) uma capacitação sobre Síndrome de Down. Esta é a primeira qualificação mensal com a abordagem: “Educação para Deficiência Intelectual”.

Ao todo, 40 estagiários que atuam em diversas modalidades estudantis pelo Município receberam as aulas que tratavam de como agir e educar uma criança que necessita de atenção especial. De acordo com a psicóloga de Educação Especial da Seduc e responsável pela capacitação, Maria Estela Conte Ayala Penalver, estes estagiários serão engajados no tema e, assim, darão suporte aos professores que possuem alunos com a síndrome.

Trissomia do cromossomo 21 ou Síndrome de Down, como é conhecida, é uma alteração genética causada pelo excesso de material genético no cromossomo 21, nos primeiros momentos de sua formação, ainda na barriga da mãe. “Por isso, é de regra, receber uma atenção especial em vários ambientes, incluindo o estudantil”, destaca Estela.

“A Seduc tem como base o conceito de que a escola é para qualquer pessoa. E é isso que nós estamos oportunizando. Alunos são diferentes, assim como os com síndrome de down. Entretanto, estas crianças, com atenção especial ou não, continuam sendo alunos.”

Quem aprova a iniciativa é Juliana Fortes de Jesus. Ela é estagiária de Pedagogia há um ano e recomenda as capacitações dadas pela Prefeitura com foco na Educação Especial. “Estas aulas são muito construtivas para nós. Quando estamos em aula, não temos o conteúdo necessário, que é a prática. Com as capacitações, percebo que fica mais fácil saber como agir e como me referir aos alunos com a síndrome.”

Já o estagiário de Psicologia, João Pedro Araújo Silva, destaca o benefício da capacitação como um meio de saber como aprimorar o trabalho desenvolvido. “A partir daqui com as discussões, teorias dadas e recomendações de profissionais, podemos abranger o nosso trabalho”, conta o estudante. Para Araújo, o assunto é sério e parabeniza a gestão atual pela atenção dada.