Guarujá aumenta em quase 70% o volume de atendimentos na rede municipal de Saúde

Levantamento contabiliza mais de 3 milhões de atendimentos já realizados nas unidades entre janeiro 2017 e início de julho de 2019

Comentar
Compartilhar
09 AGO 2019Por Da Reportagem09h20
Em dois anos, mais de 3 milhões de atendimentos foram feitosFoto: Hygor Abreu

Com planos de saúde cada vez mais caros, mais pessoas migram para a rede municipal de Saúde. E com mais gente buscando os serviços públicos, maior é o desafio da Prefeitura de Guarujá em se adequar constantemente para atender toda essa demanda, que só vem crescendo nos últimos anos. Conforme balanço realizado pela Secretaria de Saúde, de janeiro de 2017 até o início de julho de 2019, as unidades de Saúde somaram exatos 3.276.920 atendimentos prestados. 

As informações englobam, ainda, consultas e procedimentos nas unidades de Pronto Atendimento (UPAs), Básicas (UBSs) e de Saúde da Família (Usafas), entre outras. Em 2017, o total foi de 988.197 atendimentos, número que saltou para 1.671.551 em 2018, ou seja, um aumento de 69,15%. Já em 2019, em pouco mais de seis meses, já são 617.172 atendimentos. 

UPAs são destaque
A alta demanda nas unidades de Guarujá é percebida, principalmente, nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). De 2017 até agora, as UPAs contabilizam 2.153.056 atendimentos. Em todo o ano de 2017, foram 519.718 atendimentos, saltando para 1.178.387 em 2018, o que representa um aumento de 126.73%. Em 2019, o volume já registrado é de 454.951 atendimentos prestados, ou 87,53% do realizado em todo o ano de 2017. 

Ainda sobre a Urgência e Emergência, a UPA Dr. Matheus Santamaria, o PAM Rodoviária, apresenta quase 1,5 milhão de atendimentos realizados de 2017 até hoje. Foram exatos 1.450.838 atendimentos só neste equipamento. Só em 2017, por exemplo, o total de atendimentos chegou a 249.337, aumentando para 863.897 em 2018, mais que o triplo. Em 2019, por exemplo, os números já ultrapassam os de 2017 inteiro, com 337.604 atendimentos.

Atenção Básica
Já na porta de entrada da rede municipal de Saúde, que é a Atenção Básica, são 788.830 atendimentos desde 2017. Dentro dessa estatística, as Usafas são responsáveis por fazerem 345.529 atendimentos; as UBSs, 223.466. Isso sem contar especialidades e os Centros de Atenção Psicossocial, por exemplo.

Emissões de Cartão SUS confirmam sobrecarga
Outro fator que deve ser levado em consideração é a emissão de cartão SUS. Nos últimos dois anos e meio, Guarujá emitiu 82.837 cartões. Só em 2017, foram 30.575 novos, pulando para 32.710 em 2018. Em 2019, já são 19.552 em quase sete meses, indicando que a demanda, até o final do ano, será novamente superada.

Maio de 2019 é o mês com o maior volume de emissões de Cartões SUS nos últimos 30 meses, com 4.107 unidades. Os dados são do Centro de Cidadania, órgão ligado à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Portuário (Sedep), que funciona na unidade do Poupatempo, em Vicente de Carvalho. 

Prefeito destaca principais melhorias realizadas
Atualmente, estima-se que cerca de 250 mil pessoas dependam do SUS em Guarujá. E o reflexo da alta demanda registrada nos equipamentos de saúde também se deve às melhorias realizadas pela Prefeitura nos últimos dois anos e meio de gestão. 

A principal delas é a revitalização do PAM Rodoviária, que foi totalmente repaginado. A Prefeitura investiu R$ 2 milhões na reforma, com a execução do serviço a cargo da Organização Social (OS) Pró-Vida, gestora desta Unidade e das Usafas. Lá, a média pode chegar a até 1.200 atendimentos diários, na temporada. 

Para receber bem esse aumento no fluxo de pacientes, a Administração Municipal começou, neste ano, a recuperar as 15 Usafas. Deste total, três já foram entregues reformadas pela Prefeitura: Vila Edna, Sítio Conceiçãozinha e Cidade Atlântica. Os trabalhos também são feitos pela Pró-Vida, a partir de contrato formalizado com a Prefeitura.

“Saúde não tem preço, mas tem custo. Temos trabalhado diuturnamente para garantir a assistência e a continuidade dos serviços públicos na rede municipal. Avançamos significativamente desde 2017 e ainda temos muitos desafios pela frente. Temos hoje uma Saúde muito melhor do que aquela que encontramos quando assumimos, em 2017”, diagnostica o prefeito de Guarujá, Válter Suman, que destaca a Saúde como incansável prioridade da Administração Municipal. 

Suman destaca que outros equipamentos da Cidade também já foram entregues revitalizados: Unidade Complexa Willian Rocha, Serviço de Atendimento e Internação Domiciliar (SIAD), Programa Docinhos; além destes, outros foram criados, como o Instituto da Mulher e Pronto Socorro Infantil de Vicente de Carvalho (antigo Centro de Especialidades), entre outros.

Hospital Santo Amaro
Boa parte dos atendimentos executados conta ainda com outro importante equipamento, o Hospital Santo Amaro (HSA), que atualmente presta atendimento 100% SUS. A contratualização mantida entre o Município e o hospital garante repasses mensais de R$ 5.896.141,56, o que permite o suporte a toda a demanda da Cidade, otimizando, assim, os atendimentos disponíveis na rede municipal, como consultas e especialidades, por exemplo. 

Recursos Humanos
Apostando na humanização e no acolhimento, as unidades de saúde de Guarujá estão hoje com suas equipes completas. Atualmente, são 804 funcionários na Atenção Básica e outros 413 na rede de Urgência e Emergência, um cenário bem diferente do início de 2017, quando o Município sofria com a falta de profissionais da saúde.   

À época, quem dependia das UPAs se deparava com a constante falta de médicos. Por isso,  logo na primeira semana de janeiro daquele ano, a Administração Municipal implementou o decreto 12.034/2017, declarando situação excepcional de emergência relativamente aos serviços, atividades e estrutura operacional de Pronto Atendimento de Urgência e Emergência no Município. 

“Seguiremos no propósito de otimizar ao máximo os recursos e proporcionar o atendimento mais humanizado aos usuários do SUS. Por isso a decisão de revitalizar as 15 Usafas, por exemplo. É o compromisso que temos com Guarujá e seus moradores”, finaliza Válter Suman. 

Colunas

Contraponto