Guarda Municipal distribui 830 pulseiras na praia de Santos

De acordo com a GCM, já há registro nesta temporada de crianças perdidas que foram encontradas rapidamente pelo uso do acessório

Comentar
Compartilhar
16 JAN 2019Por Da Reportagem22h01
Guarda Civil Municipal já distribuiu 830 pulseirinhas entre 18 de dezembro e 14 de janeiroGuarda Civil Municipal já distribuiu 830 pulseirinhas entre 18 de dezembro e 14 de janeiroFoto: Divulgação/PMS

A certeza de que as crianças não ficarão perdidas por muito tempo, caso aconteça um desencontro, acalma os responsáveis que colocam a pulseira de identificação na garotada quando vai à praia. A iniciativa da Prefeitura é desenvolvida pela Guarda Civil Municipal (GCM), que já distribuiu 830 pulseirinhas entre 18 de dezembro e 14 de janeiro.

Nesta quarta-feira (15), Leandro Perez, que possui baixa visão, aceitou prontamente a oferta do GCM que estava em patrulhamento nas areias do Boqueirão para colocar o acessório no pulso de sua filha Pilar, 2 anos. A entrega da pulseira é o diferencial para ele frequentar a praia mais tranquilamente.

"Pela minha deficiência, acho muito importante o apoio da Guarda na praia. No caso da criança se perder, sabemos que ela poderá ser levada até a corporação para localizar os pais. Assim, me sinto mais à vontade, pois sempre tenho uma preocupação: se ela se afasta um pouco mais do meu campo de visão, eu a perco".

De acordo com a Guarda, já há registro nesta temporada de crianças perdidas que foram encontradas rapidamente pelo uso do acessório. "Um dos casos aconteceu próximo à Concha Acústica e a localização dos pais levou apenas 15 minutos", comentou o GCM Marcelo Soares.

Como obter

Os banhistas podem conseguir a pulseirinha em qualquer dia da semana com os guardas na faixa de areia, principalmente com aqueles que circulam em quadriciclo. A criança perdida pode procurar um salva-vidas ou guarda municipal. Já os pais ou as pessoas que encontram um menor nessa situação devem fazer o mesmo para que as viaturas já posicionadas em pontos estratégicos sejam acionadas, pois o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar trabalham interligados.

"As crianças chegam a ficar desesperadas quando se perdem dos pais e a maioria delas não é de Santos. Como não estão acostumadas com esse ambiente e não possuem uma referência de localização, os desencontros acontecem mais facilmente. Já encontramos criança perdida no canal 3 que veio andando do canal 5 e ficou até 2h longe dos pais. Mas até hoje sempre localizamos os pais", comentou Soares.

Para a professora Katia Lucia do Nascimento, da Creche Ismênia de Jesus, que costuma levar as crianças assistidas à praia no verão, o uso do acessório é fundamental. "Nessas horas, a criança fica nervosa mesmo e pode até esquecer o nome dos pais ou responsáveis e não saber o número de telefone", comenta ela, que nesta quarta esteve na praia na companhia de mais quatro educadoras, cuidando de 20 pessoas. "Nós ficamos tensas o tempo todo, embora expliquemos tudo para elas como, por exemplo, parar no local onde está, dizer que está perdida e com quem foi à praia".