Grupo espalha cartazes contra redução da maioridade penal no País

Ao todo, os ativistas divulgaram que 400 praças em todo o Brasil estavam inscritas na noite de terça-feira, 28, para receber a mobilização

Comentar
Compartilhar
29 ABR 201514h30

Praças de todo o País amanheceram com faixas, cartazes e folhetos contra a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos nesta quarta-feira, 29. A ação foi convocada pelas redes sociais na página do grupo "Amanhecer contra a redução" no Facebook. Ao todo, os ativistas divulgaram que 400 praças em todo o Brasil estavam inscritas na noite de terça-feira, 28, para receber a mobilização.

"Vamos amanhecer dizendo que acreditamos na garantia de direitos da juventude. Na educação, cultura, saúde, no direito à cidade e à vida", escreve o grupo, que surgiu entre jovens do Rio de Janeiro, em uma das postagens de convocação para o ato no Facebook. Os materiais foram colocados nos logradouros públicos durante a noite de terça-feira e a madrugada de quarta-feira.

No Rio, pontos turísticos como os Arcos da Lapa, no centro, tinham faixas contra a redução no início da manhã. O Largo do Machado e a Praça São Salvador, na zona sul, também foram incluídas no ato, assim como uma das passarelas da Avenida Brasil, importante via expressa do Rio.

O ato mobilizou manifestantes em outras capitais. Em Brasília, ativistas colocaram um cartaz com pipas, símbolos da infância, em frente ao Congresso Nacional. O ato aconteceu ainda em locais públicos de Curitiba e Belo Horizonte, segundo fotos divulgadas pela página do "Amanhecer contra a redução".

Nesta quarta-feira, está previsto ainda um Twitaço (ação de mobilização no Twitter) no início desta tarde. O alvo dos atos é a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 171, que tramita no Congresso e reduziria a idade mínima de ingresso no sistema penitenciário de 18 para 16 anos.

A proposta foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, por 42 votos a 17. O texto passará por uma comissão especial que vai discutir o tema por até 40 sessões antes que ele seja apreciado pelo plenário da casa.