X

Cotidiano

Governo homologa terra indígena em Peruíbe

Decreto presidencial homologou demarcação de área onde vivem guaranis nhadeva em comunidade localizada na cidade

Publicado em 04/05/2016 às 08:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

No ano passado, o Diário do Litoral esteve na aldeia Piaçaguera / Matheus Tagé/DL

Após uma longa espera, os índios de Piaçaguera, em Peruíbe, já podem comemorar a homologação da terra onde vivem. O decreto que oficializa a posse permanente do grupo Guarani Nhadeva naquela área foi assinado pela presidente Dilma Rousseff (PT) no último dia 29. Essa é a quarta terra indígena homologada na Baixada Santista.

A Terra Indígena Piaçaguera é composta por sete comunidades indígenas e fica próxima à praia. Uma delas é a aldeia que leva o mesmo o nome e foi formada há 15 anos. O processo de regularização da área, que ocupa 2.790 hectares do município de Peruíbe, teve início em 2011. Para chegar até o local é necessário percorrer um longo caminho de terra e vegetação.

A demora da demarcação definitiva causou diversos problemas à comunidade que sofreu com invasões de não-indígenas e impactos causados por mais de 50 anos de atividade de mineração no local, que teve o solo modificado. Com a homologação será possível a retirada de posseiros e haverá um maior rigor no controle das pessoas que acessam o local.

No ano passado, o Diá­rio do Litoral esteve na comunidade de Piaçaguera. Na oportunidade conversou com Otávio de Camargo Penteado, assessor de programas da Comissão Pró-Índio, organização não-governamental que acompanha a situação da aldeia há alguns anos. “Nessas áreas tinha uma mineradora, que ainda ocupa certo espaço e que terá de ser retirada quando o processo de homologação terminar, que explorava areia, e causou danos muito sérios a terra indígena”.

Na comunidade de Piaçaguera, as casas são de alvenaria e a maioria conta rede de esgoto, água encanada e luz. O meio de subsistência dos indígenas da comunidade está no cultivo de orquídeas, venda de palmitos e artesanato.

Ao todo a Baixada Santista conta com 17 aldeias. A população indígena da região é constituída pelos povos Guaranis Mbya e Tupi-Guaranis (Ñandeva).

De acordo com informações da Fundação Nacional do Índio (Funai), a Terra Indígena Ribeirão Silveira (Bertioga) ainda permanece com processo de identificação. As outras terras homologadas na Baixada Santista são Guarani do Aguapeú, Bananal (Peruíbe) e Rio Branco (Itanhaém). Itaóca, em Mongaguá, teve o processo de regularização paralisado por conta de disputas judiciais.

Dívida

No início do mês, o Governo Federal disse que pretende acelerar o processo de demarcação de terras indígenas no Brasil. A Secretaria-Geral da Presidência da República, Paulo Maldos, reconheceu que a oficialização das áreas é uma “dívida histórica do governo brasileiro com relação a esses povos”.

 

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Guarujá

Caçando Trampo? PAT de Guarujá está 70 vagas nesta quarta (22)

Atendimento é realizado na Avenida Santos Dumont, 1.586, no Pae Cará, em Vicente de Carvalho

Santos

Embaré ganhará novo espaço Pet, em Santos

Intervenções no local estão em andamento, seguindo cronograma de serviços da Prefeitura Regional da Zona da Orla e Intermediária (ZOI)

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter