Governo do Estado contesta declarações de Alberto Mourão sobre IML de PG

Ao que o prefeito disse, Estado garante que o prédio do IML da cidade não está pronto, por isso não enviou funcionários

Comentar
Compartilhar
31 MAR 2017Por Carlos Ratton08h00
Ontem, o prefeito Alberto Mourão reafirmou o que disse ao Diário na última terça-feira, que o IML de Praia Grande está aguardando efetivo para iniciar as atividadesOntem, o prefeito Alberto Mourão reafirmou o que disse ao Diário na última terça-feira, que o IML de Praia Grande está aguardando efetivo para iniciar as atividadesFoto: Matheus Tagé/DL

A Superintendência da Polícia Técnico-Científica (SPTC) do Governo do Estado informou ontem que, diferente do que o prefeito de Praia Grande Alberto Mourão (PSDB) revelou na última reunião do Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb), não faltam funcionários para reabrir a unidade do Instituto Médico Legal (IML) do município.

A questão é que “o prédio ainda não foi inaugurado, pois estão sendo realizadas as últimas adequações elétricas e hidráulicas. Depois, o mobiliário será instalado e a unidade será entregue”, disparou a Superintendência por intermédio de nota oficial. Mourão é presidente do Condesb.

Na entrevista, Mourão confirmou à Reportagem que a Prefeitura havia cedido o terreno e o Estado realizado. Salientou ainda que a área do IML de Praia Grande é até maior do que o necessário, porque o governo estadual pretende construir em anexo o prédio da Polícia Científica.

“Então, o que está faltando são os funcionários, que ainda não foram liberados. Estamos há um ano parados dependendo de Santos e do Guarujá, tendo um prédio novo para inaugurar”, disse o prefeito.

Em novo contato com a Reportagem ontem, Mourão reafirmou a informação de que cedeu o terreno para a instalação do Instituto Médico Legal (IML) e que o Estado ficou responsável por todas as obras para o funcionamento,  assim como o quadro de servidores necessários. “A Prefeitura continua aguardando as devidas providências do Estado para que mesmo retome os serviços”, disse em nota oficial.

Região

A falta de funcionários para cobrir os IMLs da região foi apontada pela Comissão Permanente de Segurança da Câmara de Santos, após reunião com a Direção do IML para levantar todos os problemas operacionais e estruturais visando a busca de uma solução para o prédio de Santos, localizado na Avenida Martins Fontes, 1215, no Saboó.  

A Comissão, formada pelos vereadores Sérgio Santana (PR); Antônio Carlos Banha Joaquim (PMDB) e Bruno Orlandi (PSDB), descobriu desfalque de ao menos 1/3 do efetivo em todo o Estado. Foi feito um concurso público em 2013, mas todos os aprovados ainda não foram chamados. Os vereadores santistas farão uma audiência pública para levar todos os problemas para o Estado.

Pouca gente

O Diário apurou que, atualmente, Santos possui seis médicos legistas e Guarujá apenas um, quando deveria ter seis, bem como Praia Grande (cujo IML que está fechado). O IML de Registro só possui quatro médicos. O IML de Santos atende nove cidades, que engloba municípios até Pedro de Toledo. O órgão de Guarujá atende Bertioga até o pé da serra da Estrada Mogi Bertioga.     

Também ontem, o Governo do Estado revela ainda que os funcionários de Santos são, na verdade, de Praia Grande.

“O IML de Praia Grande contará com oito funcionários que estão temporariamente no IML de Santos. Cabe esclarecer que a região da Baixada Santista recebeu, desde 2011, 37 novos policiais técnico-científicos”, finaliza. O Governo não se posicionou sobre como ficará o efetivo do IML de Santos quando a unidade de Praia Grande for inaugurada.