Governo ajudará distribuidoras de energia

O objetivo é evitar que seja repassado para a conta de luz o enorme salto no preço da energia comercializada no mercado, que vem sendo abastecido por usinas termoelétricas

Comentar
Compartilhar
06 FEV 201411h37

Um dia depois do apagão que deixou às escuras 13 Estados do País, o governo acertou uma ajuda federal extra entre R$ 3 bilhões e R$ 5 bilhões às companhias de distribuição de energia. O objetivo é evitar que seja repassado para a conta de luz o enorme salto no preço da energia comercializada no mercado, que vem sendo abastecido por usinas termoelétricas acionadas em meio à estiagem que afeta os reservatórios das hidrelétricas. A decisão foi tomada na quarta-feira, 5, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, após reunião de técnicos do governo e empresários do setor.

O orçamento que o governo estimou para cobrir as despesas com a conta de luz neste ano não será suficiente para arcar com todas as despesas do fundo setorial, a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Somente com as distribuidoras, o gasto total deve se aproximar de R$ 10 bilhões.

Outros R$ 4 bilhões devem ser gastos com combustíveis que abastecem sistemas isolados, como a região Norte. Finalmente, as indenizações às empresas de geração e transmissão que aderiram ao pacote que reduziu a conta de luz devem acumular entre R$ 2 bilhões e R$ 4 bilhões. Assim, a conta total para o contribuinte deve oscilar em R$ 16 bilhões e R$ 18 bilhões, ante R$ 9 bilhões previstos no Orçamento.

Ontem, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, confirmou que o governo vai auxiliar a distribuição. "Não sabemos em que medida pode ser o auxílio, temos de esperar para saber qual é o rumo que a chuva vai tomar, se vai vir mais, se vai vir menos. Por enquanto, é um problema de janeiro e fevereiro", disse. "Estaremos dando cobertura para esses problemas, de modo que isso não passe para a tarifa do consumidor final."

Um dia depois do apagão que deixou às escuras 13 Estados do País, o governo acertou uma ajuda federal às companhias de distribuição de energia (Foto: Divulgação)

Expediente

Em 2013, o governo já tinha inaugurado o expediente de transferir recursos às distribuidoras para evitar aumento de tarifa. O Tesouro desembolsou R$ 9,8 bilhões para o setor elétrico. Os gastos serão maiores neste ano, porque até junho os fundos setoriais tinham recursos próprios para pagar suas obrigações.

O dinheiro da CDE acabou em maio, quando o fundo foi socorrido pela Reserva Global de Reversão (RGR), que tem como responsabilidade o pagamento das indenizações. Mas, ao transferir recursos de um fundo (RGR) para outro (CDE), o governo ficou com dois problemas. Desde junho, o Tesouro tem vendido títulos da dívida pública para cobrir os buracos.

O impacto poderia ser maior não fossem as receitas próprias que CDE e RGR dispõem. Estima-se que cada fundo tenha R$ 2 bilhões a receber das elétricas. Esses recursos reduzem a pressão sobre o Tesouro, que precisa compatibilizar as despesas adicionais à uma meta fiscal rigorosa. No caso das distribuidoras, o governo deve repassar R$ 1,8 bilhão até o fim do mês.

Ainda há divisão interna no governo sobre como agir para evitar que os repasses do Tesouro sejam muito elevados. Pressionado a entregar uma meta fiscal rigorosa e convincente, o governo tem feito de tudo para reduzir despesas, e a crescente explosão de custos no setor elétrico vai na contramão desse esforço. Há consenso de que um auxílio do Tesouro ao setor é menos danoso para a economia que o repasse para a conta de luz, mas não sobre a forma a ser feito.