Gota de Leite: 105 anos de história que vão muito além da extinta quermesse

Representantes de entidade afirmam que as contas da instituição estão no azul há alguns anos e projetam um futuro sustentável

Comentar
Compartilhar
25 JUN 2019Por Thaís Moraes08h00
Comemorando aniversário, local prevê futuro bem traçadoFoto: Rodrigo Montaldi/Arquivo DL

Um cenário apocalíptico surpreendeu no ano passado todos aqueles que conhecem o trabalho da Gota de Leite, instituição que atende 250 crianças de 11 meses a 6 anos na Educação Infantil em período integral; 80 crianças e adolescentes de 8 a 17 anos no projeto 'Musicalidade na Gota'; outras 80 no 'Gotas no Judô', e 40 adultos no 'Gota Rosa', programa de qualificação profissional na área de corte e costura.

"Houve uma interpretação errada por parte das pessoas. Nunca dissemos que a Gota de Leite iria fecha. A quermesse era uma das fontes de receita, dentre outras", afirma o diretor de Patrimônio Marco Antonio Beletti.

O representante da instituição conta que há dez anos a quantidade de patrocinadores da tradicional Quermesse da Gota, que funcionou na atual gestão por 18 anos seguidos, era muito grande, mas nos últimos anos a crise financeira afetou esses apoios. O número de voluntários também diminuiu muito - eram necessários uma média de 70 por dia - e antes que as despesas ficassem maior do que o retorno financeiro esperado, a instituição optou por suspender o evento.

"No final de semana de mais movimento, o público era de aproximadamente 2 mil pessoas e o evento demandava um investimento antecipado para compra dos ingredientes na preparação dos pratos. Se o público presente ficasse abaixo do esperado, haveria desperdício de alimento e de recurso. Era um investimento alto e arriscado, tendo em vista a falta de patrocinadores", complementa a coordenadora de Captação de Recursos Marise Hashimoto.

Em quase duas décadas de quermesse, que funcionava nos meses de maio e junho, muito foi feito com a receita gerada: o prédio administrativo da entidade, a reforma da cozinha e a implementação de uma câmara frigorífica.

O futuro é verde

Comemorando 105 anos neste mês de junho, a Gota de Leite já tem seu futuro bem traçado: aplicar recursos em sustentabilidade nos seus 14 mil metros quadrados. A entidade já possui projetos para captação de energia solar (fotovoltaica),captação de água da chuva, horta hidropônica e uma portaria informatizada.

“Realizamos um estudo técnico que mostra termos uma área potencial para gerar energia elétrica autossuficiente e que ainda irá sobrar. O excedente queremos doar para outras entidades”, planeja Beletti.

O investimento estimado para a implementação de energia fotovoltaica é de R$ 500 mil; para a captação de água o valor é de aproximadamente R$ 90 mil e o custo da nova portaria é de R$ 130 mil. Para isso, a entidade está à procura de empresas parceiras e desde o ano passado tem seu ginásio e uma grande área aberta disponíveis para locação.

"Com os dois futuros locatários, um já em negociação, conseguiremos até superar o retorno anual da quermesse. São contratos longos que visam a melhoria do local. A Gota não será prejudicada, poisestaremos separados por muros", diz o diretor patrimonial.

Sobrevivência da entidade

Com 73 funcionários, a Gota de Leite consegue se manter com subsídio da Prefeitura de Santos, que cobre 55% dos gastos mensais. A administração municipal também aluga dois imóveis da entidade, o do Fundo Social de Solidariedade e o da Escola Municipal Gota de Leite, voltada ao Ensino Fundamental. Há também recursos que vêm do brechó, do espaço publicitário disponibilizado nos muros e de doadores.

Fundada em 1914, com funcionamento no atual endereço desde 1924, a Gota de Leite foi idealizada pelo médico sanitarista Dr. Alcides Lobo Vianna para tentar diminuir a mortalidade infantil. O nome da entidade veio de sua origem, quando as mães que não conseguiam amamentar recebiam garrafinhas de leite fresco para dar aos bebês. Devido à grande demanda, a Gota tornou-se um hospital infantil.

Tempos depois, devido ao abandono de crianças no local, foi criado um internato. Em 1998, o modelo assistencialista deu lugar ao construtivismo, conceito de educação em que as crianças são as protagonistas na aquisição do conhecimento.

Qualquer pessoa pode colaborar com doações à entidade, seja com alimentos, como macarrão, até depósito bancário, boleto e mais recentemente com a Nota Fiscal Paulista.

Quem já é cadastrado no programa poderá doar diretamente no site da Secretaria da Fazenda (portal.fazenda.sp.gov.br) ou pelo aplicativo para smartphones e tablets. Basta acessar o sistema com CPF e senha, selecionar a opção de doação automática de cupons, pesquisar a instituição favorita (colocando o número do CNPJ), por quanto tempo deseja realizar a doação e confirmar os dados para finalizar.

Agora é só informar o CPF a cada compra e os créditos das notas fiscais serão automaticamente doados à instituição escolhida. Mais detalhes podem ser obtidos em www.gotadeleite.org.br ou na própria entidade, localizada na Avenida Conselheiro Nébias, 388, Encruzilhada, Santos.

Colunas

Contraponto