Funcionários do SAMU estão com salários atrasados

Funcionários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Itanhaém estão com os salários atrasados

Comentar
Compartilhar
20 FEV 201314h50

Médicos, enfermeiros, socorristas e motoristas estão recebendo essa semana da Prefeitura os vencimentos do mês de julho. Segundo o coordenador do SAMU de Itanhaém, Amir Mahmoud Bahmad, a equipe que totaliza 42 profissionais que trabalham com apenas três viaturas, atende, em média, 1.200 chamadas por mês. “Com o atraso nos pagamentos estamos tentando ao máximo manter o atendimento e não paralisar os serviços”.

Amir afirmou que na última quarta-feira, a Prefeitura pagou os salários de julho dos motoristas e socorristas. Porém, Amir disse que não há previsão para o repasse de agosto e setembro. O Samu é um programa em parceria entre o Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde, com os municípios. O Governo Federal repassa mensalmente R$ 71.500 e a Administração Municipal custeia o restante. O programa foi implantando em Itanhaém há seis meses.

A denúncia de atraso nos pagamentos foi feita pela vereadora Regina Célia de Oliveira (PT) que vai protocolar requerimento na Câmara Municipal, na sessão da próxima segunda-feira, pedindo esclarecimentos sobre o atraso no repasse. “Sabemos que o Governo Federal está repassando mensalmente os R$ 71.500. Até agora já foram repassados R$ 429 mil, referentes aos meses de março a agosto”, declarou a vereadora. 

Em nota, a assessoria de imprensa da Prefeitura de Itanhaém informou que os atrasos se devem à inadimplência na arrecadação de tributos do Município. Esta semana, a Administração pagou parte dos vencimentos de julho e o restante será pago até o dia 10 de outubro. “A arrecadação da Prefeitura deste ano está sendo comprometida em virtude do alto número de inadimplentes. Até agora já foram contabilizados mais de 30% de déficit aos cofres públicos. Isto faz com que ocorram atrasos em alguns pagamentos. Porém em nenhum momento a Prefeitura deixará de cumprir suas obrigações. O atraso corresponde aos vencimentos de alguns profissionais da saúde, mas que estão recebendo na medida em que os impostos estão sendo pagos.

Em relação à verba de apoio de R$ 71,5 mil que o Governo Federal repassa ao Município é para colaborar com os gastos referentes à manutenção do serviço como combustível, medicamentos, manutenção de viaturas, água, luz e telefone. As despesas de contratação de funcionários fica tudo a cargo dos cofres da Prefeitura. Para se ter uma idéia, em agosto foi preciso complementar o custeio com mais R$ 141,5 mil.”