Funcionários da Cursan decidem encerrar greve

Trabalhadores voltam à ativa após Prefeitura efetuar pagamento de parte dos salários atrasados. Ainda existem pendências como o 13º salário

Comentar
Compartilhar
24 JAN 2017Por Da Reportagem10h30
Na última sexta-feira, o prefeito Ademário Oliveira debateu com trabalhadores sobre a situação da Cursan. Trabalhadores devem retornar ao trabalho hoje após o fim da greveFoto: Vespasiano rocha/sintracomos

Após assembleia extraordinária realizada na manhã de ontem, os funcionários da Companhia Cubatense de Urbanização e Saneamento (Cursan) decidiram encerrar a greve que já se arrastava desde 11 de agosto. Com isso, a categoria deve voltar ao trabalho hoje. A reunião foi realizada na sede da empresa.

A decisão veio após o pagamento de uma parte dos salários atrasados pela Prefeitura de ­Cubatão. Na última semana, o prefeito Ademário Oliveira assumiu o compromisso de acelerar a quitação dos vencimentos de dezembro dos 600 trabalhadores da Cursan, além do vale-transporte e o plano de saúde que, segundo o Sindilimpeza, que representa a categoria, já está funcionando normalmente.

De acordo com a Administração Municipal, o montante devido é de R$ 118 milhões. No entanto, ainda há algumas pendências, como o pagamento do 13º salário.

Ainda existe a possibilidade dos trabalhadores suspenderem o retorno às atividades caso a Prefeitura não forneça os Equipamentos de Proteção Individual (EPI).

Nova presidente

A assistente social Christiane da Costa Lima é a nova presidente da Cursan. A indicação aconteceu também durante a assembleia de ontem.

Christiane foi funcionária da Pró-Saúde - empresa que gerenciou o Hospital Municipal de Cubatão; formou-se como assistente social em 2015, é casada, natural da cidade de Santos e residente em Cubatão.

Na assembleia

O prefeito Ademário da Silva Oliveira indicou para o Conselho Fiscal o secretário de Educação e Cultura, Raul Christiano de Oliveira Sanchez, e a secretária de Gestão, Ivani Maria Bassoti.

No Conselho de Administração, além da presidente Christiane da Costa Lima, assumiram também os secretários de Finanças, Maurício Stunitz Cruz, e de Habitação, Benaldo Melo de Souza, bem como o acionista Francisco Pereira Gomes.

Da mesma forma que em reunião anterior, ficou decidido que a remuneração dos conselheiros baixou de R$ 3.500,00 para R$ 999,00, valor que corresponde a 10% do vencimento do diretor-presidente. Essa redução ao mínimo legal representa uma economia anual de cerca de R$ 240 mil, ou quase R$ 1 milhão em quatro anos.

Depois de questionar e relembrar que a dívida da Cursan está em torno de R$ 120 milhões, entre pendências trabalhistas e falta de pagamento de serviços, o prefeito fez um pedido à nova diretoria: “Espero que Christiane faça da Cursan uma empresa rentável”.

Vale lembrar também que a assembleia extraordinária de ontem invalida por definitivo a assembleia anterior, realizada no dia 2 de janeiro. Aquela assembleia foi considerada irregular por não atender os requisitos formais de convocação, como a publicação por três dias seguidos no Diário Oficial do Estado e no jornal de maior circulação da região.