Funcionário é flagrado se masturbando na Cadeia Velha

O caso está sendo investigado no 1º Distrito Policial do Município como ato obsceno dentro de repartição pública

Comentar
Compartilhar
18 SET 2019Por Carlos Ratton18h00
Homem, de 65 anos, foi flagrado se masturbando na recepção da Cadeia VelhaFoto: Nair Bueno/DL

Um funcionário público do Estado de São Paulo, lotado na Agência Metropolitana da Baixada Santista (AGEM), de 65 anos, foi flagrado se masturbando na recepção da Cadeia Velha, onde funciona o órgão, na Praça dos Andradas, no Centro de Santos. O caso está sendo investigado no 1º Distrito Policial do Município como ato obsceno dentro de repartição pública.

A denúncia foi feita por um ator. A situação ocorreu no último dia 1, às 11 horas. O denunciante revelou à Polícia que chegou à Cadeia onde estava ocorrendo um evento público, quando se deparou com o funcionário cometendo o ato. Ele revelou que não há mais testemunhas e não soube informar se existiam câmeras de monitoramento que pudessem registrar o momento.   

Vale lembrar que na Cadeia Velha funciona o Projeto Guri, considerado o maior programa sociocultural brasileiro que oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos.

De férias

Ato obsceno está inserido no artigo 233 do Código Penal e determina que praticar em lugar público, ou aberto ou exposto ao público pode gerar pena de detenção de três meses a um ano, ou multa. Segundo a diretora executiva da AGEM, Raquel Chini, o funcionário está de férias e o caso só será definido pelo Estado após a investigação policial. “Não quero entrar em detalhes pois quem vai apurar é a polícia. O funcionário foi ouvido e já constituiu um advogado para defende-lo. Estamos juntando tudo para encaminhar à Procuradoria Geral do Estado, após a polícia avaliar as imagens das câmeras”, disse.   

Ontem, a Reportagem procurou o ator (autor da denúncia) e o acusado. O ator disse que era domingo. “Eu sempre chego cedo quando tem eventos. Entrei pela recepção e ele (o funcionário) não percebeu. Vi que ele estava se movimentando de forma estranha. Acreditei que estaria passando mal. Dei a volta e, no pátio interno, por uma janela que dá acesso visual à recepção, vi ele com a mão dentro da calça, se masturbando, ao mesmo tempo que olhava vídeo pornô no celular”, afirma, dizendo estar ainda inconformado com o que viu.    

O funcionário público acusado não retornou. Um outro funcionário da Cadeia Velha confirmou que ele está de férias, disse que está bastante deprimido e que as câmeras não registraram nada. Mas em depoimento à polícia, o funcionário negou o ato e disse que foi alvo de retaliação por não permitir a colocação de uma faixa no local inadequado por parte dos atores. 

Briga

A situação põe ainda mais “lenha à fogueira” estabelecida entre o Movimento Artístico de Santos e a Agem, que está impedindo que os artistas se reúnam à noite na Cadeia Velha. Conforme publicado pelo Diário, a briga poderá resultar na retomada do equipamento pela Secretaria de Cultura do Estado. O fim do uso compartilhado é um anseio da classe artística e da própria diretora executiva da Agem, que chegou à conclusão que o prédio não é apropriado para a Agem. 

A decisão da Cadeia Velha não ser mais um centro cultural foi tomada em 10 de janeiro de 2017, pelo então secretário de Cultura de São Paulo, José Roberto Sadek, junto com o então subsecretário de Assuntos Metropolitanos, Edmur Mesquita. Eles anunciaram que o espaço passaria a abrigar a Agem e polo local do Projeto Guri. Os recursos para as Oficinas Culturais Pagu continuariam a ser enviados para a Prefeitura de Santos, mas a utilização do antigo espaço para a atividade praticamente foi encerrada.

Agem

Vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano, a Agem é uma autarquia do Governo Estadual que tem por finalidade integrar a organização, o planejamento e a execução das funções públicas de interesse comum na região. Entre as principais atribuições destaca-se a arrecadação de receitas; fiscalização da execução das leis que dispõem sobre regiões metropolitanas e aplicação das respectivas sanções, estabelecer metas, planos, programas e projetos de interesse comum, bem como fiscalizar e avaliar sua execução. 

Colunas

Contraponto