Funcionário do Porto de Santos morre descarregando enxofre

As causas do acidente, que aconteceu por volta das 5 horas, ainda estão sendo apuradas

Comentar
Compartilhar
27 FEV 201321h27

O estivador Rubens da Silva Ruas, de 56 anos, que trabalhava há 34 anos no Porto de Santos, morreu na madrugada desta sexta-feira, 1º, quando desembarcava uma carga de enxofre de um navio de bandeira da Líbia atracado no Terminal Marítimo de Guarujá (Termag), na margem esquerda do porto, em Guarujá.

As causas do acidente, que aconteceu por volta das 5 horas, ainda estão sendo apuradas. De acordo com o gerente administrativo da Termag, Cristiano Perini, o estivador operava uma pá carregadeira quando teve um mal súbito e ao tentar sair do guindaste caiu no porão do navio.

Já segundo o diretor do Sindicato dos Estivadores, Marco Antonio Bonfim, a causa da queda pode ter sido intoxicação, pois a máquina estava em má condição de uso e com o ar condicionado deficiente. "E como ele caiu de bruços e havia água no porão do navio, também pode ter se afogado", disse Bomfim, que criticou ainda a falta de exaustores no local.

O coordenador da fiscalização do trabalho portuário, João Jose da Rocha, disse que as causas do acidente estão sendo apuradas e que o laudo completo, contando a perícia do Instituto Médico Legal (IML) deve sair em no máximo 40 dias.

De acordo com Rocha, caso fique comprovado que a empresa não cumpria as normas de segurança corretamente, o terminal pode ser autuado e multado pelo Ministério do Trabalho, além de já responder a inquérito policial por causa da morte.

Quinto acidente

Este é o quinto acidente fatal no Porto de Santos em 2007, três a mais que durante todo o ano de 2006. Para avaliar e discutir as causas desse aumento, o Ministério do Trabalho marcou uma reunião com as cinco empresas onde os acidentes ocorreram no próximo dia 11.

"Vamos juntar todas as empresas, começando por essas, para colocar algumas medidas em práticas", disse Rocha. Segundo ele, há dois anos aconteceram alguns acidentes a bordo e essas medidas deram resultado. Em 2007, as mortes dos trabalhadores ocorreram fora dos navios, em armazéns e terminais.