Governo do SP educacao

Flexibilizações continuam proibidas em Guarujá, conforme MP e decreto estadual

Em 20 dias, 114 estabelecimentos já foram cientificados por descumprirem normas de funcionamento. Promotores do Município alertam que novas flexibilizações podem incorrer em prática de improbidade administrativa

Comentar
Compartilhar
20 MAI 2020Por Da Reportagem17h02
Continua proibida a adoção de qualquer medida de flexibilização no acesso às praiasFoto: ARNAUD PIERRE COURTADON/DIÁRIO DO LITORAL

Em Guarujá, continua proibida a adoção de qualquer medida de flexibilização no funcionamento do comércio ou no acesso às praias, que se encontram interditadas desde o final de março. A recomendação é do início deste mês, feita pelo Ministério Público (MP) de São Paulo. Em 20 dias, a fiscalização no comércio autorizado a funcionar já cientificou 114 estabelecimentospor descumprimento a normas estipuladas para o período de quarentena no combate ao novo coronavírus.

A maior parte dos comércios fiscalizados foi orientada a cumprir a ordem de evitar aglomerações e tomar demais medidas profiláticas, como o uso de máscaras para funcionários e disponibilidade de álcool em gel ou água e sabão para higiene das mãos dos clientes, por exemplo.

As atividades são monitoradas, diariamente, pelos fiscais da Vigilância Sanitária e de Comércio. É necessário seguir um regramento rígido com relação à intensificação das ações de higiene e limpeza e, em alguns casos, atendimentos são restritos a agendamento prévio.

Recomendação

Os promotores públicos Daniel Santerini Caiado, Eloy Ojea Gomes, Osmair Chamma Junior e Renato dos Santos Gama também recomendaram que o Município se abstenha de abrandar as medidas já vigentes na Cidade.

 

Os dispositivos dizem respeito às regulamentações de cerca de 60 atividades comerciaisna Cidade, além de templos religiosos, durante a pandemia. Além das medidas já citadas, é obrigatória a organização de filas com espaçamento mínimo de dois metros entre as pessoas, por exemplo.

A recomendação do MP também pede a intensificação da fiscalização das medidas vigentes na Cidade, se preciso adotando o artigo 268 do Código Penal, que pode acarretar em pena de um mês a um ano de detenção, por descumprimento de determinação do poder público destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa.

O referido dispositivo é aplicável em casos como o desrespeito à interdição das faixas de areia das praias e do acesso ao mar, além dos responsáveis por empresas e chefias imediatas em repartições públicas que não exigirem o uso de máscaras, situação que será igual nos transportes públicos e particulares, além de ambientes corporativos.

Na recomendação, os promotores públicos salientam que o posicionamento do MP se faz necessário, a fim de evitar a incorrência em prática de improbidade administrativa e representação à Procuradoria-Geral de Justiça para ajuizamento de Ação Direta de Inconstitucionalidade contra as flexibilizações já vigentes.