Financiamentos da Desenvolve SP atingem R$ 12 milhões na Baixada Santista

Quase todo o montante, 94%, foram investidos pelos municípios da região em obras de infraestrutura.

Comentar
Compartilhar
20 DEZ 201222h22

A Desenvolve SP – Agência de Desenvolvimento Paulista já financiou R$ 12 milhões para pequenas, médias empresas e prefeituras que compõem a Baixada Santista desde o início das operações da instituição, em março de 2009. De acordo com o balanço geral, a maioria dos recursos, 94%, foi destinada para a realização de obras de recapeamento de ruas e infraestrutura dos municípios. Os outros 6% foram desembolsados ao setor privado (indústria, comércio e serviços), para a compra de máquinas, equipamentos e modernização de empreendimentos. Com linhas de financiamento específicas para atender empresários com faturamento anual a partir de R$ 360 mil, os investimentos ainda são tímidos frente à capacidade de crescimento da região.

Responsáveis por movimentar a economia local e empregar milhares de pessoas, o Complexo Portuário de Santos, o Parque Industrial de Cubatão e as atividades ligadas ao turismo das cidades litorâneas colaboraram para que a Baixada Santista seja uma das regiões mais representativas da economia estadual. De acordo com os dados da Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano, o Produto Interno Bruto (PIB) da Baixada Santista representa 4% do PIB estadual e com a exploração do pré-sal esse número irá crescer ainda mais, proporcionando novas oportunidades de negócios, sobretudo, para as pequenas e médias empresas.

“Apesar do cenário promissor, a Baixada Santista representa apenas 1% dos R$ 864 milhões financiados pela Desenvolve SP em todo o Estado de São Paulo. É muito pouco frente à capacidade de desenvolvimento econômico da região, pois oferecemos aos pequenos e médios empresários as melhores taxas e prazos para que cresçam de forma planejada e sustentável”, diz Milton Luiz de Melo Santos, presidente da instituição financeira. As empresas e prefeituras atendidas até o momento estão localizadas nas cidades de Itanhaém (R$ 2,3 milhões), Mongaguá (R$ 9 milhões), Santos (R$ 586 mil) e Praia Grande (R$ 100 mil).