Fim de semana será de chuva na Baixada Santista

A frente fria que avança sobre a região provocará áreas de instabilidade com chuvas e queda de temperatura

Comentar
Compartilhar
03 FEV 201321h58

A previsão para hoje é de tempo instável com chuva ao longo do dia e queda de temperatura, em toda a Baixada Santista, devido ao avanço de uma frente fria sobre a região. As informações são do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/INPE).

Segundo o meteorologista do CPTEC/INPE, Carlos Moura, a temperatura deverá variar entre mínima de 22ºC e máxima de 27º C. Já no domingo o sol aparece entre nuvens, podendo haver pancadas de chuva. A temperatura volta a subir podendo atingir 28º C.

Moura disse que há tendência de elevação da temperatura nos próximos dias com a passagem da frente fria. O meteorologista explica que a instabilidade é causada pela umidade da Zona de Convergência do Atlântico Sul em contato com a frente fria. A faixa de umidade permanente vem desde a bacia amazônica, passando pela região Centro-Oeste até a região Sudeste.

Santos

Com o índice pluviométrico de 81,4 milímetros acumulados entre quarta e sexta-feira (72 horas), a Defesa Civil de Santos registrou dois pequenos deslizamentos na noite de quinta-feira: um no Monte Serrat, que atingiu parte do terreno de uma loja da avenida Senador Feijó, 254, e outro no Morro Santa Maria, nos fundos da Igreja Nossa Senhora de Fátima, na avenida de mesmo nome.

Segundo o chefe da Defesa Civil, Emerson Marçal, o Plano Preventivo de Defesa Civil (PPDC), que segue até 30 de abril com o objetivo de prevenir acidentes e redobrar a atenção em áreas de risco, será intensificado na conscientização da população e na limpeza das encostas. “Temos uma preocupação com o lixo jogado nas encostas, um dos fatores que provoca deslizamentos”.

Ainda de acordo com a previsão, o clima deverá ser instável na temporada de verão, com diminuição das frentes frias e aumento das pancadas de chuva, que provocam trovoadas e rajadas de vento, mais difíceis de serem previstas, pois se formam rapidamente.

Para se proteger, os moradores dos morros devem ficar atentos aos sinais de perigo: presença de água barrenta, rachaduras, trincas, tremor, acúmulo de lixo nas encostas, entre outras. Em casos de emergência, devido à chuva, o contato pode ser feito pelo telefone 3208-1000, em funcionamento 24 horas. Caso o volume de água da chuva atinja 100 milímetros, a Defesa Civil classifica o estado de atenção nos morros da Cidade.

Cubatão

Em Cubatão, o Rio Mogi subiu 1,2 metro e transbordou, com a chuva forte, na última quinta-feira. A pancada durou 20 minutos, o suficiente para inundar 27 residências, em uma vila das imediações, afetando 84 pessoas. Empresas também sofreram danos, segundo informações da Comissão Municipal de Defesa Civil de Cubatão (COMDEC). O Rio Mogi cruza o parque industrial de Cubatão, nas imediações da Usiminas (ex-Cosipa).

Na avenida Engenheiro Plínio de Queiroz, que faz a ligação entre o acesso à Usiminas e à rodovia Cônego Domênico Rangoni (ex-Piaçaguera-Guarujá), os veículos trafegavam sobre uma lâmina d’água de 50 centímetros, na quinta-feira.

Guarujá

Em Guarujá, as chuvas que caíram nos últimos dias não afetaram áreas de risco e nenhuma ocorrência grave foi registrada. De acordo com a Prefeitura, com informações da Diretoria de Defesa Civil, na última quinta-feira, uma árvore de grande porte caiu, às 7h25, na Rua Rio Amazonas, no Perequê, próximo à encosta do morro, atingindo três casas. Ninguém se feriu.

Os agentes da Defesa Civil fizeram a remoção parcial do tronco e ofereceram aos moradores o atendimento da Secretaria Municipal de Assistência Social, mas os munícipes não aceitaram e informaram que vão reerguer suas moradias.