Feira de artesanato e quiosques de alimentação são alvos de vandalismo em Mongaguá

Depredação aconteceu na feira de artesanato do bairro Vera Cruz

Comentar
Compartilhar
27 JUN 2020Por Nayara Martins07h15
Duas portas de boxes da Feira de Artesanato foram incendiadasFoto: Nair Bueno/DL

Um estado de total abandono e atos de vandalismo. Esse é o cenário da Feira de Artesanato, localizada na avenida Mário Covas, no bairro Vera Cruz, em Mongaguá. Na última semana, duas portas de boxes foram incendiadas no local, devido à briga provocada por pessoas em situação de rua.

A Reportagem do Diário do Litoral esteve no local e constatou que cerca de 20 boxes estão fechados devido à pandemia do novo coronavírus. No espaço, que vem sendo utilizado por moradores de rua, podem ser vistas roupas, sapatos e colchões jogados pelo chão.

Outro problema grave se refere aos banheiros públicos que se localizam ao lado da Feira de Artesanato. Nos dois banheiros já foram roubadas as pias, as torneiras e as lâmpadas, além do mau cheiro e da sujeira.

Um dos moradores no bairro Vera Cruz, que não quis se identificar, afirma que a Feira está totalmente abandonada. "Moradores de rua usam o banheiro para tomar banho e o espaço da feira para dormir. Para piorar não tem iluminação à noite, causando riscos aos moradores próximos", salienta.

O vereador Luciano Lara (Podemos) explicou que já apresentou indicação na Câmara, pedindo melhorias ao local à prefeitura. "Na verdade, a cidade está abandonada e já pedi ao Executivo que faça melhorias na praça da Feirinha do Vera Cruz, para evitar que aconteça essas ações e assuste os moradores", completa.

Sem energia

Na praça de alimentação, localizada na mesma avenida, no Vera Cruz, os proprietários de quiosques de alimentação também foram atingidos por atos de vandalismo nesta semana.

Uma caixa de energia elétrica foi aberta e todos os fios foram cortados, além de ter sido danificada a fiação que leva a energia aos quiosques. O ato aconteceu na madrugada de quarta-feira, dia 24.

Uma das proprietárias dos quiosques, Uldavina Azevedo, afirma que o ato de vandalismo aconteceu por maldade. "Fui avisada na madrugada do dia 24 pela empresa particular de segurança sobre uma queda de energia. Mas ao chegar lá, vi que não foi uma ação para roubar os fios e sim para nos prejudicar", desabafa. Ela lamenta os prejuízos com a ação e diz que vai fazer a denúncia na delegacia de polícia. Outro quiosque também foi atingido pelo corte na fiação elétrica.

Segundo a comerciante, a praça não conta com iluminação pública e nem com rondas noturnas da Guarda Civil Municipal para garantir a segurança. Os cinco quiosques de alimentação estão fechados devido à pandemia.

Outro lado

A Prefeitura de Mongaguá informa que a Guarda Civil Municipal realiza rondas diárias em toda a cidade, nos períodos diurno e noturno. No dia da ocorrência do incêndio, a GCM recebeu a denúncia e realizou a busca pelos responsáveis, que conseguiram fugir. A Feira de Artesanato do Vera Cruz está fechada desde o início da pandemia. E que a Administração está realizando um estudo para a reforma do local.

A Prefeitura informa ainda que os técnicos da Assistência Social realizam abordagens constantes nos locais da cidade em que pessoas em condição de rua costumam se aglomerar. Inclusive, a Feira de Artesanato do Vera Cruz é palco constante de atuação dos profissionais.

No entanto, diz que, embora a Assistência Social disponibilize auxílio a este público, a pessoa em situação de rua tem o direito de ir e vir garantido, não cabendo à Administração forçá-lo a sair de um local público. O número é flutuante, mas chega, em média, a 20 pessoas.

A Administração explica que para o bem-estar deles, o Clube da Melhor Idade, no Centro, foi colocado à disposição como abrigo, onde os alojados têm diversas refeições ao dia, roupas, leitos para dormir e acompanhamento médico. E que, como acontece periodicamente, vai encaminhar uma equipe ao local para nova abordagem de orientação.