Banner gripe

Fechamento do Centro de Línguas preocupa em Cubatão

Local oferecia, há 25 anos, aulas gratuitas de inglês e espanhol para alunos da Rede Pública de ensino da cidade

Comentar
Compartilhar
09 MAI 2019Por Vanessa Pimentel08h22
Prefeitura afirma que as atividades estão paralisadas temporariamente para reestruturaçãoFoto: Nair Bueno/DL

Munícipes de Cubatão têm se manifestado nas redes sociais contra o fechamento do Centro de Idiomas do Casqueiro, que há 25 anos oferecia cursos gratuitos de inglês e espanhol, mantidos pela prefeitura, via Secretaria de Educação.

De acordo com os entrevistados, o local não oferece atividades desde o fim do ano passado, e deixou a ver navios os alunos que, até então, aproveitavam a oportunidade para enriquecer o currículo. 

A Reportagem foi até o Centro e, de fato, encontrou as portas fechadas. Segundo os usuários, o motivo que levou ao cancelamento das atividades não foi informado.

"O curso é para a população que não pode pagar por um curso particular. Existe há muitos anos e beneficia muita gente da cidade. Como podem acabar com tudo isso?", reclama a moradora Regina Dalva.

Em novembro do ano passado, os 25 anos do Centro de Línguas chegaram a ser celebrados com uma Festa Intercultural. Mas, em janeiro, não reabriu as portas.

De acordo com a Prefeitura de Cubatão, o Centro de Línguas não foi fechado, mas as atividades estão paralisadas temporariamente para reestruturação. A Reportagem questionou que tipo de reestruturação está sendo feito mas não obteve retorno. 

Também não há data específica para o retorno das atividades do Centro, porém, no dia 3 de junho, na Câmara Municipal, às 14h, haverá um encontro sobre a reestruturação do local com a Seduc, o vereador Rodrigo Ramos Soares (Rodrigo Alemão) e uma comissão formada por pais de alunos.

O Centro de Línguas iniciou suas atividades há quase 26 anos, no dia 19 de julho de 1993, pelo Decreto Municipal N°6.867, e desde sua criação tornou-se uma importante ferramenta de aprendizagem de língua estrangeira aos alunos matriculados na Rede Municipal.

Colunas

Contraponto