Farc anunciam libertação de policiais e soldado capturados

Os policiais Victor González Ramirez e Cristian Camilo Sanchez foram capturados pela guerrilha no dia 25 de janeiro.

Comentar
Compartilhar
02 FEV 201319h21

As Forças Revolucionárias da Colômbia (Farc) informaram hoje (2) que irão libertar os dois policiais e o soldado que vêm sendo mantidos reféns pelo grupo armado. No comunicado, a guerrilha pede que a organização não governamental (ONG) Colombianos pela Paz e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha no país sejam mediadores do processo de libertação.

A Cruz Vermelha disse que já foi notificada do pedido, mas até agora não sabe o lugar nem a data de entrega das pessoas em poder das Farc. Os policiais Victor González Ramirez e Cristian Camilo Sanchez foram capturados pela guerrilha no dia 25 de janeiro, no Vale de Cauca, Noroeste do país. De acordo com a guerrilha, o soldado Menezes Josué Álvarez foi sequestrado há uma semana no departamento de Nariño, Sudoeste do país.

Segundo as Farc, os “prisioneiros de guerra” estão em boas condições e “foram tratados com respeito e dignidade”.

Esta semana, as negociações de paz viveram dias de tensão depois do sequestro dos dois policiais. O governo exigiu que a guerrilha libertasse os oficiais. As Farc, por sua vez, declararam “ter direito” de capturar militares no âmbito do combate.

Após o sequestro dos policiais, as Farc perderam um dos líderes de uma de suas seis frentes. Nessa sexta-feira (1º), o Exército colombiano informou ter matado o líder máximo da Quinta Frente das Farc, Jacobo Arango. Ele foi morto após um bombardeio aéreo no departamento de Córdoba, no Caribe colombiano.

A mesa de negociações vem cumprindo uma agenda semanal de conversações em Havana, capital cubana. Do lado do governo, o líder é o ex-vice-presidente do país Humberto de la Calle. A delegação das Farc é chefiada por Ivan Márquez, segundo homem do secretariado- geral do grupo armado.

O tema em discussão atualmente é a reforma agrária, o primeiro dos cinco pontos da agenda definida para negociação entre as partes no ano passado.