Faixa Viva: seguem ações por melhor convívio entre motoristas e pedestres

Nesta terça-feira (10), a equipe do programa foi mobilizada para atuar na Rua Carvalho de Mendonça com a Rua São Paulo, na Vila Belmiro

Comentar
Compartilhar
10 ABR 2018Por Da Reportagem20h18
O Faixa Viva tem como proposta promover a convivência harmoniosa entre pedestres e condutoresFoto: Divulgação/PMS

Com o desafio de conscientizar para mudança de comportamento por parte de pedestres e motoristas, a CET-Santos mantém ações externas do Faixa Viva de orientação sobre travessia segura. Nesta terça-feira (10), a equipe do programa foi mobilizada para atuar na Rua Carvalho de Mendonça com a Rua São Paulo, na Vila Belmiro.

A área, que concentra vários comércios e um hospital, registra intenso movimento de veículos e caminhantes e já recebeu a ação em outras oportunidades. Quem passa regularmente pelo local e experimenta dos dois lados da realidade, como condutor e pedestre, como Pauline de Almeida Canuto, não tem dúvida: ambos precisam mudar.

"Quando estou a pé, costumo estender a mão para pedir a parada, mas, infelizmente, nem sempre isso ocorre. Já ao volante, também vejo muitas pessoas simplesmente saírem atravessando. É preciso respeito de uma parte e da outra", analisa, reconhecendo que o trabalho educativo tem mesmo que ser permanente.

Próximo de completar sete anos – fará em maio -, o Faixa Viva foi uma surpresa para Flávio de Almeida, que se mudou para Santos, vindo do Litoral Norte, há cinco meses. Ele desconhecia o programa e ouviu com atenção as explicações da especialista em educação da CET para travessia segura. "Vou me lembrar da próxima vez", garantiu.

O Programa

O Faixa Viva tem como proposta promover a convivência harmoniosa entre pedestres e condutores, contribuindo para reduzir acidentes e mortes no trânsito. A iniciativa se caracteriza pela prioridade da passagem do pedestre, em faixas sem semáforo.

A Companhia orienta que o caminhante estenda o braço, sempre com a palma da mão voltada para o condutor. A orientação para os dois atores envolvidos (pedestre e motorista) ocorre com ações contínuas nas ruas – em média, são 300 anualmente -, além da abordagem do tema nas atividades do Programa de Educação para o Trânsito promovidas em escolas, empresas, grupos e instituições diversas.