Fábrica de doces de banana é parada obrigatória em Itanhaém

Fundada em 1930, a Bananada Itanhaém já se tornou um dos pontos turísticos mais procurados no centro da Cidade

Comentar
Compartilhar
24 OUT 2020Por Nayara Martins07h40
Um dos segredos para manter a tradição é que os doces de banana são fabricados de maneira artesanalFoto: Nair Bueno/DL

Itanhaém não oferece somente belezas naturais e históricas, o Município também possui lugares que atraem diversos turistas de todo o Brasil. Um desses locais é a Bananada Itanhaém. Fundada em 1930, a tradicional fábrica de doces de banana já se tornou um dos pontos turísticos mais procurados no centro da Cidade.

A primeira proprietária e fundadora foi Luiza Thereza Forssell, avó do ex-prefeito João Carlos Forssell, que ficou com a loja por cerca de 15 anos. Na época, havia abundância de banana e os bananicultores traziam as bananas dos sítios de barco. Ela fazia os doces numa panela, à mão e à lenha, pois não havia energia elétrica.

A fábrica foi vendida para Ivahy Saraiva que também era o proprietário da sorveteria no mesmo prédio.

No ano de 1969, a fábrica de doce de banana e a loja foram vendidas para Risto Dobrevski, sendo mantida pela família há 50 anos. Risto e o filho mais velho vieram para o Brasil em 1967, da antiga Iugoslávia e desceram no Porto de Santos. Depois chegaram a mulher e dois filhos.

A filha Svetlana Dobrevska Cvetanovska, advogada, de 62 anos, é quem administra. Conta que nas décadas de 70 e 80, a fábrica de doces de banana viveu o melhor período, com a vinda de turistas de alto padrão. As bananas nanicas eram compradas de bananicultores locais.

"Nos anos 80, meu pai comprou um sítio em Peruíbe, onde cultivava os pés de bananas e chegou a vender até para o Ceasa, em São Paulo."

Um dos segredos para manter a tradição, segundo Svetlana, é que os doces de banana são fabricados de maneira artesanal, desde o preparo até a finalização e a embalagem, e não têm conservantes.

"Hoje fazemos os doces da mesma forma artesanal que antes, e também embalamos. Os produtos são preparados semanalmente, e isso faz com que eles estejam sempre frescos e com qualidade".

Variedades

É impossível chegar na Bananada e não escolher um doce de banana. São diversos tipos: os sem açúcar - em barra, em bala, em tablete pequeno; a rosquinha de banana assada; e a banana seca ou passa preparada em forno à lenha.

E as com açúcar - a bananada tradicional em tablete grande; a bananada cristalizada em barra, em tiras ou em forma de balas; e a bananada em tiras com chocolate. Além da bananada cascão, produzida com pedaços da banana seca, e a geleia de banana, feita com bananas mais maduras e cozidas no vapor.

Uma das novidades é o bombom de banana seca e a bananada cascão sem açúcar. A loja vende ainda bananas chips salgada e doce com canela.

Svetlana lembra que nos primeiros meses da pandemia, o movimento caiu bastante e, ao reabrir, alguns doces estragaram. "Conseguimos resistir a esse período, pois o prédio é da família e não pagamos aluguel. Os clientes antigos faziam as encomendas e entregávamos em domicílio", completa.

Público fiel

A Bananada Itanhaém possui vários clientes antigos e fieis, sendo a maioria de outras cidades. "Há uma turma de médicos de Santos que viaja aos finais de semana de moto. Eles sempre fazem uma parada aqui".

Uma das clientes é a aposentada Maria José Mota, de São Paulo. "Venho comprar os doces de banana que são bem feitos e prefiro os sem açúcar. Minha filha é guia turística e foi ela quem descobriu a loja".

Claudio Forssell, bisneto da fundadora Luiza e que mora em Itatiba (SP), é mais um freguês. "Sou suspeito para falar dos doces de banana. Ao visitar a cidade, venho sempre aqui. A loja traz boas recordações da minha infância".

A loja fica na rua Cesário Bastos nº 1, no Centro. Funciona de segunda a sexta, das 8h30 às 17h30, aos sábados, das 8h30 às 21h e, aos domingos, das 11h às 20h.