X
Cotidiano

Exploração sexual em santos pode gerar CPI na Assembleia

O deputado Paulo Corrêa Júnior (PEN) protocolizou ontem o pedido com aval de mais 33 outros parlamentares – número suficiente para discussão em plenário

Paulo Corrêa Jr. e Roberto de Lucena vão iniciar o combate à exploração sexual a partir de Santos / Divulgação

A exploração sexual de crianças e adolescentes no Centro de Santos poderá gerar a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). O deputado Paulo Corrêa Júnior (PEN) protocolizou ontem o pedido com aval de mais 33 outros parlamentares – número suficiente para discussão em plenário. CPI é a oitava da fila para pautação. Corrêa Júnior havia adiantado a iniciativa na noite da última segunda-feira (26), em fórum sobre o tema, realizado na Universidade Santa Cecília (Unisanta).  

“Pode ter algumas CPIs para serem apresentadas, mas vou colocar essa na fila e sei que posso contar com cerca de 28 deputados que compõem a base de partidos aliados”, disse, para uma plateia de cerca de 300 pessoas. Ele também mostrou no fórum um projeto de lei, que pretende apresentar na Alesp, que autoriza o Governo do Estado a criar o serviço de disque denúncia de abuso ou exploração sexual de crianças e adolescentes.           

O deputado federal Roberto de Lucena (PV), presidente da Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e Outras Formas de Violência da Câmara dos Deputados, comandou o fórum que teve como objetivo levar soluções ao plenário do Congresso para erradicação do problema no Brasil. “A Baixada Santista será a região que vai iniciar a luta nacional contra essa questão, que assola a maioria das cidades brasileiras, principalmente as do Estado de São Paulo”, disse Lucena, ressaltando que todas as autoridades que se omitem são ‘criminosas’ tanto quanto o agressor.    

Também presente no encontro, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Santos, Luiz Fernando Afonso Rodrigues, salientou a importância de se criar um cadastro de vítimas e de agressores, e pediu ao deputado Paulo Corrêa que influenciasse a Câmara de Santos a também abrir uma CPI. “Tem que ser um trabalho integrado, envolvendo inclusive as polícias”, disse.     

O Fórum “A Exploração Sexual de Infanto-Juvenil esconde medo, seja a voz daqueles que não podem falar” foi um reflexo da série de reportagens do Diário do Litoral, realizada ano passado, intitulada Meninas do Centro. Além dos dois deputados e o presidente da OAB-Santos, participaram da mesa o pastor João Carlos Bartista Campos, graduado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Católica de Santos – UniSantos; a conselheira tutelar Idalina Galdino Xavier, especialista em Violência Doméstica e Membro da Comissão de Enfretamento a Violência Sexual, Flávio Antas Corrêa, coordenador do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas na Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo e o inspetor Marcelo Gondim, presidente da Comissão Regional de Direitos Humanos da Polícia Rodoviária de São Paulo.

No Fórum, Macelo Gondim ofereceu ajuda e salientou que, desde 2003, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) desenvolve o projeto Mapear, que realiza o mapeamento dos pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias federais brasileiras, percorrendo 65 mil quilômetros de rodovias federais.    

 

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Praia Grande recebe quarta edição do Meeting Arq Experience

Evento, que este ano tem entrada social, reúne grande nomes da arquitetura nacional abordando temas como marketing, empreendedorismo, sustentabilidade e inclusão

Santos

Arena Festival traz Zimbra, Scalene, Dead Fish e mais atrações do rock nacional

Ao todo, sete atrações tocam a partir do meio-dia de sábado (13) até a madrugada de domingo (14), no Arena Club, em Santos; ingressos podem ser comprados pelo site do Articket

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software