Evento inédito vai unir música clássica e choro no Emissário

O projeto Orquestra na Rua e alunos da escola do Clube do Choro se apresentam hoje no Quebra-mar

Comentar
Compartilhar
08 ABR 2017Por Vanessa Pimentel10h30
O projeto Orquestra na Rua se uniu aos alunos da escola de Choro e Cidadania para realizar pela primeira vez na região, um encontro entre música clássica e choroFoto: Matheus Tagé/DL

O Parque Roberto Mario Santini, popularmente conhecido como Emissário Submarino, será palco de uma união inédita entre dois projetos de música da região: a Maratona Cultural – Orquestra na Rua e os alunos da Escola de Choro e Cidadania Luizinho 7 Cordas.  O concerto acontece às 17h30 e é gratuito. Premiados no 5º Concurso de Apoio a Projetos Culturais no Município de Santos, realizado pela Secretaria de Cultura (Secult), o projeto Orquestra na Rua segue para o segundo espetáculo do cronograma.

A ideia de unir os dois estilos musicais nasceu após uma apresentação da Orquestra em frente à sede do Clube do Choro, no Centro Histórico de Santos.

“Estávamos tocando em um festival e conhecemos um dos integrantes do clube. Durante o bate-papo surgiu o convite e este ano conseguimos tirar a ideia do papel”, explica Leonardo Mallet, um dos idealizadores do projeto.

O concerto será divido em duas partes: a primeira contará apenas com música erudita e os instrumentos clássicos. Em seguida os alunos da escola de choro se unem a orquestra para um repertório recheado de músicas brasileiras como O Que Será?, de Chico Buarque, Carinhoso, de Pixinguinha e Trem Das Onze, de Adoniran ­Barbosa.
“Eu estou ansioso porque nunca fizemos nada assim, mas a cada ensaio fico mais confiante de que o público vai curtir”, declara Mallet.

William Dias, maestro da escola de choro há seis anos, diz que os alunos estão empolgados com a oportunidade de tocar com uma orquestra. “É uma troca de experiência muito legal tanto para quem está acostumado a tocar música erudita quanto para quem toca o choro, que é um estilo mais popular”, explica William.

Durante o evento, o caricaturista Dodô Vieira  irá retratar o público presente. Parte do valor arrecadado com a venda dos desenhos será destinada a campanha Orquestra na Kombi.

O ensaio, com início às 13h, também é aberto ao público. Em caso de chuva o evento será adiado e as informações sobre o novo local serão colocadas na página da Orquestra na Rua, no ­Facebook.

Campanha

O projeto Maratona Cultural - Orquestra na Rua visa tirar a música orquestral dos teatros e levá-la para a rua com intuito de democratizá-la. Em dias de apresentação, além dos músicos, uma orquestra carrega aonde vai instrumentos nem sempre compactos, como o ­Violoncelo.

Sem apoio, umas das maiores dificuldades encontradas para levar o projeto a outros lugares é o transporte. Por isso, a Orquestra na Rua lançou a campanha “Orquestra na Kombi”.

A meta estipulada para a compra do veículo gira em torno de R$16 mil. Para chegar até este valor, a equipe realiza diferentes ações, tanto na internet quanto nas apresentações ao vivo, onde o público pode adquirir produtos na loja da orquestra ou contribuir com o “chapéu”.