Etanol lidera causas de queimaduras

Apesar de não existir estatísticas oficiais, produto tem sido muito usado no lugar do gás de cozinha

Comentar
Compartilhar
29 DEZ 2018Por Glauco Braga09h00
Os pacientes com queimaduras precisam ficar internados para suporte e cuidados extremosOs pacientes com queimaduras precisam ficar internados para suporte e cuidados extremosFoto: Bruno César/HUSE/Divulgação

Os dados oficiais não são precisos, mas o problema existe e é grave: o aumento do uso  do etanol (álcool) para cozinhar vem turbinando os números de pessoas com queimaduras graves. Nos últimos seis meses, a Santa Casa de Santos registrou 47 internações, uma média, de 8 casos por mês. O hospital, porém, não soube discriminar quais tipos de queimaduras são as mais frequentes.   

A razão para a utilização do etanol pode estar no aumento da miséria. Como o etanol é um combustível mais barato, ou seja, mais acessível, as pessoas estão utilizando fogão a lenha, latas ou espiriteiras para cozinhar. Essas são opções para quem não possui quase R$ 100,00 para comprar um botijão de gás.
“Realmente é muito comum essas queimaduras por produtos combustíveis. No caso do etanol, que é um produto combustível, incolor e barato, sempre temos casos de pessoas que usam álcool naquelas espiriteiras. O produto é incolor, escorre, a pessoa não vê, acende e se queima”, disse o cirurgião plástico da Santa Casa de Santos, Ricardo Perrone.  

Alessandra Nestor e Karyna Turra publicaram na Revista Brasileira de Queimaduras o artigo “Perfil epidemiológico dos pacientes internados vítimas de queimaduras por agentes inflamáveis”. No texto, elas relatam dados de uma pesquisa feita no Paraná. O álcool é o grande responsável pela maioria das ­queimaduras.    

O artigo aponta que “uma das possíveis causas no elevado número de acidentes por agentes inflamáveis, especificamente pelo álcool, é a falta de informação a respeito de sua fácil combustão, sua comercialização em embalagens frágeis de plástico, bem como o seu baixo custo e a facilidade em obter no comércio, pois não há restrições para efetuar a compra. A utilização de forma indiscriminada dos agentes inflamáveis também propicia ao elevado números de acidentes, pois a maioria dos acidentes causados por queimaduras podem ser prevenidos, porém, os programas de prevenção desse tipo de acidentes são escassos no Brasil”.

Perrone frisou que é preciso esclarecer que o que queima é o fogo, não o álcool.

“Essas queimaduras sempre são piores do que por líquido aquecido. O líquido aquecido (água,chá etc) quando cai em cima da pessoa vai esfriando um pouco. Ela pode também ser grave dependendo da extensão e da profundidade. Agora, é menos pior do que por óleo fervente, que quando cai não perde o calor tão rápido e fica queimando, em especial, em queimadura por fogo, combustíveis explosivos. O problema maior é com as crianças, já que uma área no corpo de um adulto é pequena, mas para uma criança é grande. A queimadura é grave dependendo profundidade e da extensão e dela”, disse o médico.

Perrone lembrou que a queimadura é uma agressão clínica muito grande para o paciente.

“Ele tem alterações importantes, metabólicas. O paciente precisa ficar internado para suporte”, disse. “O importante é não deixar acontecer a queimadura, ter cuidado com os combustíveis. Ficar atento às crianças que têm menos condições de se proteger.  Quando a queimadura for por fogo, apagar ou abafar. Colocar um pano limpo em cima, para aliviar a dor que é muito grande. Encaminhar para o hospital, para hidratação e medicação para evitar doenças, infecções, tétano e cuidar da função renal”, declarou Ricardo Perrone.