X
Cotidiano

‘Estado tem que garantir a proteção social’

A autora da frase é a pré-candidata a deputada estadual pelo Partido Comunista do Brasil (PC do B), Carina Vitral

Carina Vitral é pré-candidata a deputada estadual pelo Partido Comunista do Brasil (PC do B) / Rodrigo Montaldi/DL

Pré-candidata a deputada estadual pelo Partido Comunista do Brasil (PC do B), a ex-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Carina Vitral, segunda colocada na disputa pela Prefeitura de Santos, em 2016, ao receber pouco mais 14 mil votos, é autora da frase, ­referindo-se às falhas de mais de 20 anos do governo do PSDB. Confira alguns trechos da ­entrevista:    

Diário – O que está te incentivando?
Carina Vitral –
Nas última eleições, conseguimos uma posição política em Santos. Foi importante o debate ocorrido ­porque, se não fosse a nossa candidatura, talvez não ocorreria o contraponto de projeto de cidade, de visão social. Avisamos sobre os problemas que estavam por vir. Hoje, existe um sentimento de que muita coisa prometida não foi cumprida. 

Diário – Alguns exemplos.
Carina Vitral –
O estado total de abandono tanto da orla como a Zona Noroeste. Obras inacabadas, ausência do chefe do Executivo. A falta de zeladoria é outro por exemplo. De 2016 para cá, a Cidade já fez sua reflexão que os problemas que levantávamos estão ocorrendo. 

Diário – Sua idade atrapalhou?
Carina Vitral –
Muita gente me dizia que, para prefeita, eu era muita nova, mas para deputada votaria em mim. Então, acho que de alguma forma, foi um sinal ­considerável.

Diário – O parlamento te seduz?
Carina Vitral –
As duas funções – Executivo e Legislativo – são muito importantes e complementares. O primeiro tem um poder enorme de mudar a vida das pessoas. No parlamento, você propõe leis e fiscaliza. Também participa de bons debates políticos. No entanto, digo sempre que a vida acontece na cidade.

Diário – A Baixada está bem representada?
Carina Vitral –
Não. Temos uma região muito importante econômica e socialmente mas, numericamente e qualitativamente é sub-representada. O Caio França tem uma atuação importante, temos o Paulo Correa, que de alguma forma dialoga com a região e o Cássio Navarro. Mas a Baixada já teve grandes deputados e deputadas. Há um espaço vazio que precisa ser preenchido e a região precisa ser fortalecida, pois significa comprometimento com as pautas locais e busca pelos nossos interesses junto ao Estado. 

Diário – É um momento político importante?
Carina Vitral –
É um ciclo que acaba, principalmente em nível estadual, do governo Geraldo Alckmin. Vamos decidir qual o projeto que queremos. Vai ser uma eleição estadual muito polarizada. O João Dória virá com um discurso bem conservador, bem à direita, e a gente precisa se posicionar no meio desta conjuntura. Os deputados estaduais terão um papel fundamental nessa virada política, depois de tanto tempo na mão do PSDB.

Diário – O PC do B vai apoiar Márcio França (PSB)?
Carina Vitral –
Estamos debatendo com filiados e militantes. Ainda não temos uma decisão. O que estamos refletindo é a sobre a necessidade de unir forças. Estamos dialogando com diversos partidos de centro-esquerda e esquerda para combater o PSDB que, na nossa opinião, é a força política responsável por tanto descaso. França a gente está vendo com bons olhos porque, historicamente, vem da esquerda e fez um governo importante em São Vicente, principalmente para a juventude. 

Diário – Mas ele fechou com vários partidos, inclusive com o Podemos, que é de direita?
Carina Vitral –
Estamos também dialogando com o Marinho (Luiz Marinho – PT) por conta da aliança histórica com o PT em São Paulo. O Marinho fez um governo importante como prefeito de São Bernardo do Campo. Mas existem outros atores. Mas, para a Baixada Santista, em especial, a candidatura do Márcio tem um impacto a se considerar.

Diário – Você tem um segmento a buscar?
Carina Vitral –
A Educação, até por ter presidido a UNE. Os índices são sofríveis no Estado. Tivemos tentativa de sucateamento dos escolas e até fechamento de algumas. Eu participei da ocupação para impedir. Tivemos superfaturamento da merenda. Eu dormi na Assembleia para garantir as investigações. O Dória é a continuidade disso tudo. Ele é o herdeiro político. Ele enfrentou uma greve histórica na Educação e agiu com truculência contra os professores, assim como o Alckmin. Quem não se lembra da ‘farinata’ (ração humana para os estudantes) e a marcação na mão das crianças para que a merenda não fosse repetida? 

Diário – Tem outros segmentos?
Carina Vitral –
Precisamos reforçar a posição feminina. As mulheres, cada vez mais, estão ocupando seus espaços. Temos a deputada Lecy Brandão e precisamos de uma representante regional. Não podemos esquecer a nossa pré-candidata à Presidência, Manuela d´Ávila.        A pauta do desenvolvimento econômico e do emprego também me estimulam, assim como a questão portuária. Mas não vou esquecer as questões locais, relacionadas ao transporte público, moradia, infraestrutura urbana, enfim. Mas o emprego, sem dúvida, precisa de atenção especial e precisamos de políticas públicas e planejamento para estimulá-lo e, de forma sustentável.    

Diário – Você pretende dobrar com a ­pré-candidata Telma de Souza (PT)?
Carina Vitral –
Minha história com a Telma é longa. Meu primeiro voto foi dela aos 16 anos. Ele sempre foi uma referência importante. Nos aproximamos politicamente em 2016 e fizemos uma boa parceria. Juntamos experiência e renovação. Precisamos fortalecer a Câmara e na Assembleia com representantes de esquerda.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Esportes

Taça das Favelas Guarujá abre inscrições

Torneio promete mobilizar mais de mil adolescentes de comunidades da cidade

INAUGURAÇÃO

Interior de São Paulo inaugura maior parque aquático do Brasil

O Thermas Acqualinda utilizará o sistema de pulseiras NFC e aplicativo para pagamentos, caixas de atendimento expresso, armários automatizados e fila virtual

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software