Estado registra primeira queda do ano em vendas e locações de imóveis

Segundo o CRECI-SP, o Litoral foi a única região que registrou aumento nas negociações: 16,81%

Comentar
Compartilhar
23 MAI 201510h37

As vendas de imóveis usados e a locação residencial registraram em março a primeira queda no ano em todo o Estado de São Paulo. Em relação a fevereiro, as vendas foram 12,47% menores e a locação de casas e apartamentos encolheu 3,41%. No acumulado do primeiro trimestre, porém, as vendas somam saldo positivo de 2,87% e a locação, de 59,17%.

A retração foi puxada por três das quatro regiões que compõem a pesquisa do CRECI de São Paulo. Em comparação com fevereiro, as vendas caíram 24,27% na Capital, 14,06% no Interior e 30,27% nas cidades de Santo André, São Caetano, São Bernardo, Diadema, Guarulhos e Osasco. Já aqui no Litoral houve crescimento de 16,81%.
“Os resultados das pesquisas do CRECISP mostram que os dois mercados começam a perder força e se encaminhar para uma nova fase, de desaquecimento e ajuste ao estado geral da Economia”, resume José Augusto Viana Neto, presidente do Conselho.

O esfriamento das vendas e da locação no período não foi suficiente para convencer os proprietários de imóveis a reduzir os preços de venda e os aluguéis. O Índice Crecisp, que mede o comportamento de ambos com base nos valores pesquisados em imobiliárias cadastradas na entidade, registrou alta de 3,7% em Março e 4,53% no acumulado do primeiro trimestre. “Os proprietários sempre vão resistir a baixar preços e aluguéis, até porque sabem que a demanda é muito maior que a oferta”, afirma Viana Neto. 

Os próximos meses, porém, poderão mudar esse comportamento se a Economia continuar caminhando para uma recessão, como parece inevitável. “Aumento de desemprego, queda no poder de compra com inflação em alta, perda ou redução da capacidade de poupar e enfraquecimento da demanda por esses mesmos motivos serão os fatores capazes de dobrar a resistência, como já acontece no mercado de imóveis novos”, avalia o presidente do CRECISP.
     
Financiamento         

Mais da metade das vendas – 58,36% do total – foi feita com financiamento de bancos, predominantemente da Caixa Econômica Federal (49,64% dela e 8,72% dos demais bancos). As vendas à vista somaram 36,8% do total de contratos, e os consórcios, 0,48%. As vendas a prazo bancadas pelos proprietários não chegaram a 5% (4,36% foram a soma desse tipo de operação).

Dos imóveis usados vendidos nas 37 cidades pesquisadas, 53,51% do total eram apartamentos e 46,49%, casas. Os imóveis mais vendidos no Estado em março foram os de valor final até R$ 300 mil, com 57,87% dos contratos assinados nas 1.152 imobiliárias pesquisadas pelo CRECI-SP. No desmembramento das vendas por faixas de preço, 69,59% das unidades vendidas custavam até R$ 4 mil o metro quadrado.

Esfriamento de locações e vendas não foi suficiente para redução dos valores (Foto: Matheus Tagé/DL)

Para vendê-los, os proprietários concederam descontos médios sobre os preços inicialmente fixados de 5,72% para imóveis em bairros de áreas nobres, de 7,03% nas regiões de periferia e de 7,39% nos bairros centrais das 37 cidades componentes da pesquisa.             
                         
Desconto para áreas nobres

O comportamento do mercado de locação em março foi diferenciado nas quatro regiões que compõem a pesquisa do Creci de São Paulo. Puxaram a queda geral de 3,41% sobre Fevereiro o Interior (- 8,72%) e as cidades de Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Guarulhos e Osasco (- 5,08%). Em contrapartida, na Capital, houve aumento de 4,39% e, no Litoral, de 1,96%.

Os donos de imóveis situados em bairros de áreas nobres sentiram maior dificuldade para alugar que os proprietários de casas e apartamentos localizados em outras regiões das 37 cidades pesquisadas pelo CRECI de São Paulo. Eles aumentaram em 55,55% o desconto concedido sobre o valor inicial do aluguel, que era de 8,05% em fevereiro e passou a 12,52% em março.

Nos bairros mais periféricos, o desconto também aumentou em março – passou de 8% para 9,57%, alta de 19,63%. Nos bairros de regiões centrais, o desconto foi reduzido em 26,88%, baixando de 11,41% em fevereiro para 8,34% em março.

Mais da metade dos imóveis alugados em março no Estado (51,99%) tinha aluguel mensal de até R$ 1.000,00. Do total de imóveis alugados pelas imobiliárias pesquisadas pelo CRECISP, 53,83% eram casas e 46,17% eram apartamentos.

As 1.152 imobiliárias pesquisadas receberam, em março, 1.063 imóveis, devolvidos por inquilinos que desistiram do aluguel por motivos financeiros (31,41%) ou por outros motivos (68,59%). Esse percentual representa 47,03% do total dos novos contratos de locação do Estado.

Mais caro, mais barato

A maioria desses imóveis (59,85%) foi alugada com garantia de pagamento pelo fiador, em caso de inadimplência do inquilino. Na sequência, aparece o depósito de três meses do aluguel (19,62%), o seguro de fiança (14,66%), a caução de imóveis (4,32%), a locação sem garantia (0,9%) e a cessão fiduciária (0,64%).

Segundo a pesquisa CRECI-SP, as locações de março se concentraram nos bairros centrais das 37 cidades em que foi feita (78,83% do total), distribuindo-se as demais pelos bairros de periferia (15,71%) e de regiões nobres (5,45%).

A boa notícia apurada pela pesquisa foi a queda da inadimplência. O percentual de inquilinos com o aluguel atrasado era de 3,89% em fevereiro e caiu para 3,86% em março, uma redução de 0,9%.

Foram consultadas 1.152 imobiliárias pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (CRECISP) em 37 cidades paulistas: Americana, Araçatuba, Araraquara, Bauru, Campinas, Diadema, Guarulhos, Franca, Itu, Jundiaí, Marília, Osasco, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Rio Claro, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, São Carlos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, Taubaté, Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião, Bertioga, São Vicente, Peruíbe, Praia Grande, Ubatuba, Guarujá, Mongaguá e Itanhaém.