Estacionamento de Guarujá é fechado

Espaço supostamente era administrado de forma irregular. Reportagem flagrou rapaz sentado em mesa improvisada comandando o estacionamento público no fim do ano

Comentar
Compartilhar
18 JAN 201400h37

A polêmica sobre o gerenciamento supostamente irregular do estacionamento público — viabilizado pelo Decreto 10.705, com arrecadação revertida para o Fundo Municipal de Turismo, na Praia de Pitangueiras, em Guarujá — teve um desfecho inusitado: a Prefeitura resolveu fechar o espaço, apesar da Advocacia Geral do Município ter garantido que a iniciativa era legal.

Desde o início das atividades, o estacionamento causou indignação de munícipes, representantes de entidades. No feriado de final de ano, a reportagem flagrou o estacionamento público comandado por um rapaz sentado em uma pequena mesa improvisada, protegido por um guarda-solcom um caderno e uma caneta em mãos. Como auxiliares, cerca de cinco garotos, todos sem identificação e qualquer uniforme identificando como funcionários públicos. Alguns até sem camisa.

O estacionamento ficava entre o Shopping La Plage e a Secretaria de Turismo de Guarujá, na Avenida Marechal Deodoro da Fonseca, 797, comandada pelo secretário José Carlos Rodrigues, que recusa a se manifestar sobre a questão. Ontem, a Reportagem voltou ao local e encontrou a área abandonada, com aviso de proibido estacionar.

O estacionamento cobrava R$ 10,00 pela primeira hora e R$ 5,00 da segunda hora em diante e não possuía nenhuma referência à Prefeitura. Não tinha placa, sinalização ou qualquer identificação oficial. Até um simples recibo — uma obrigação legal — só era entregue mediante pedido do cliente.

Semana passada, o Ministério Público (MP) foi envolvido na questão pelas mãos do vereador Luciano Lopes da Silva, Luciano China (PMDB), responsável pela Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara. Outro que se manifestou foi Jaime Ferreira, Jaiminho (Pros).

O Diário do Litoral chegou a apurar que outros parlamentares estariam se munindo de documentos para promover uma ação mais direta como, por exemplo, uma denúncia no Ministério Público (MP). China confirmou a informação.

Advocacia Geral do Município garante que a iniciativa era legal (Foto: Luiz Torres/DL)

Prefeitura

A Reportagem entrou em contato com a Prefeitura para saber porque o estacionamento foi fechado; se houve novo decreto fechando o local; quando foi publicado; quanto foi arrecadado; se a verba arrecadada foi registrada e por intermédio do que e se foram emitidas notas fiscais.

A Secretaria de Turismo resumiu informando apenas que considerou por bem suspender a atividade do estacionamento público por tempo indeterminado e esclareceu ainda que não houve decreto para o fechamento do local, visto que o documento que regulamentou o uso da área permite utilizá-la ou não e pelo tempo que considerar necessário.