Esqueleto gigante de baleia aparece em praia e vira atração em Peruíbe

Biólogos identificaram o esqueleto como sendo, possivelmente, de uma baleia-de-bryde que encalhou e morreu na praia há mais de uma década

Comentar
Compartilhar
24 MAI 2021Por Estadão Conteúdo14h00
A carcaça, exposta pela ação das marés, foi avistada por pescadores, na praia da Barra do UnaA carcaça, exposta pela ação das marés, foi avistada por pescadores, na praia da Barra do UnaFoto: Reprodução

Parte do grande esqueleto de uma baleia adulta apareceu em uma praia de Peruíbe, litoral sul paulista, e já virou atração. A ossada, com cerca de cinco metros de comprimento, revela cerca de 20 vértebras do cetáceo que, quando vivo, media entre 8 e 10 metros. A carcaça, exposta pela ação das marés, foi avistada por pescadores, na praia da Barra do Una, a 25 quilômetros do centro da cidade. O pescador Marcelo Rodrigues, que mora na região, tirou fotos do achado.

Biólogos identificaram o esqueleto como sendo, possivelmente, de uma baleia-de-bryde que encalhou e morreu na praia há mais de uma década. O corpo do cetáceo já em decomposição acabou sendo enterrado no local, mas o movimento das marés desenterrou parcialmente a ossada.

Em 2009, houve também o enterro de uma baleia-jubarte que boiava próximo da praia. Conforme os biólogos, para se ter a certeza na identificação da ossada é preciso um exame de DNA. Nesta segunda-feira, 24, o Instituto Biopesca, que faz o monitoramento das praias da região, avaliava a possibilidade de remover os ossos.

A presença de grandes cetáceos é comum no litoral paulista. A baleia-jubarte é migratória e viaja todos os anos cerca de 5 mil km desde a região subantártica das Ilhas Geórgia do Sul, onde se alimenta, até a região de Abrolhos, no litoral da Bahia, buscando águas quentes para reprodução. No litoral paulista, a jubarte está sempre de passagem. Já a baleia-de-bryde é praticamente uma residente do nosso litoral, principalmente nas proximidades de Ilhabela, que tem águas mais quentes.