X
Cotidiano

Especialista fala sobre acidentes com animais marinhos

Devido ao ­histórico de ocorrências nas praias da Baixada Santista, turistas e munícipes devem ficar atentos para não serem ­vítimas

Durante o verão, é comum que os acidentes com animais marinhos aumentem / Venilton Kuchler/Fotos Públicas

Durante a época do verão, é comum que os acidentes com animais marinhos aumentem. Devido ao ­histórico de ocorrências nas praias da Baixada Santista, turistas e munícipes devem ficar atentos para não serem ­vítimas.

De acordo com o professor doutor em dermatologia e especialista em animais marinhos, Vidal Haddad Junior, a maior parte dos acidentes na região é causada por bagres, águas-vivas ou caravelas.

“É possível que certas populações de animais tenham aumento no verão. Já observei dois surtos de caravelas na Baixada nos últimos dez anos, o primeiro na Praia Grande, e o outro no Guarujá”, comenta o ­professor.

Em caso de acidentes com águas-vivas, o especialista recomenda fazer compressas de água do mar gelada para controlar a dor. A água doce não é indicada, pois ela piora o quadro. Além disso, fazer banho de vinagre também diminui a quantidade de veneno injetada.

Na maioria das vezes, os acidentes com águas-vivas são de leves a moderados. “Se houver chiado no pulmão, dificuldades para respirar, lesões de pele longe do local atingido, desorientação ou inconsciência, procure socorro imediatamente”, orienta.

O hospital também deve ser procurado em caso de acidentes com bagre, pois podem ter ferrões quebrados no ferimento, que são ­identificados por raio-x. “Se o bagre estiver na areia por poucas horas, ainda pode envenenar e a dor é intensa”, relata Haddad. “Já se o peixe está deteriorado, o risco de infecção é grande, especialmente a quebra de ferrões, que exigem cirurgia”, complementa.

Segundo o especialista, para aliviar a dor, deve-se fazer uma imersão em água morna, por 30 a 90 ­minutos.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Saúde

Anvisa aguarda dados da Pfizer sobre variante delta para decidir sobre vacina para crianças

Ministério da Saúde prevê, no plano de vacinação do próximo ano, imunizar 70 milhões de crianças, o que depende de aprovação da agência

Saúde

Cubatão reduz para 4 meses o intervalo da dose adicional da vacina

A nova orientação vale para todas as pessoas a partir de 18 anos que tomaram as duas doses há pelo menos 120 dias

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software