X
Cotidiano

Entenda porque baleias e golfinhos encalham nas praias de Santos

Instituto Gremar - Pesquisa, Educação e Gestão da Fauna explica que o aparecimento desses animais na orla santista é normal

Nas regiões litorâneas, as baleias encontram águas mais tranquilas para acasalamento e reprodução / Divulgação/PMS

Dez golfinhos e três baleias apareceram mortos nas praias de Santos em 2021. Apesar do número de encalhamentos parecer alto, o Instituto Gremar - Pesquisa, Educação e Gestão da Fauna explica que o aparecimento desses animais na orla santista é normal. As baleias surgem da migração em razão do acasalamento e reprodução, e os golfinhos são animais 'residentes' na região, sujeitos a encalhe como qualquer outro animal marinho.

"A costa brasileira é rota de migração das baleias jubarte entre abril e setembro. Nas regiões litorâneas, como é o caso da Baixada Santista, as baleias encontram águas mais tranquilas para acasalamento e reprodução, e a partir de setembro, os filhotes retornam às regiões polares", explica a bióloga e coordenadora técnica do Gremar, Rosane Fernanda Farah.

Ela conta ainda que, após a mudança na regulamentação que proibiu a caça indiscriminada dessas baleias, houve grande expansão populacional da espécie. Por isso, um aumento no aparecimento de animais mortos também era esperado. Em relação aos golfinhos, o encalhe nas praias também é previsto, levando em consideração o fato de que são animais habitantes da costa brasileira e que, por diversos motivos, como ataques de tubarão, doenças, erros na rota, entre outros, acabam encalhando nas praias. 

Porém, apesar do encalhe desses animais ser esperado por razões diversas e naturais, alguns fatores provenientes da ação humana também podem resultar no óbito dessas espécies, como a quantidade excessiva de redes de pesca, que acabam enroscando nesses animais, a escassez de fontes de alimento e a presença de embarcações que incomodam os animais e acabam gerando colisões. 

 

GREMAR

O Instituto Gremar trabalha por meio de equipes multidisciplinares no monitoramento ambiental, reabilitação de animais vitimados, atendimento veterinário aos animais vivos encontrados nas praias e necropsia daqueles que aparecem mortos. A ONG também realiza atividades de educação ambiental em espaços formais e não formais e atendimento a emergências ambientais com fauna. Também oferece cursos para profissionais da área de ciências biológicas, medicina veterinária, oceanografia e gestão ambiental, com o intuito de aperfeiçoar conhecimentos específicos sobre conservação dos ambientes marinhos e costeiros.

 

COMO ACIONAR O GREMAR

Para acionar o serviço de resgate de mamíferos, tartarugas e aves marinhas, vivos, debilitados ou mortos, é preciso entrar em contato pelos telefones 0800-6423341 ou (13) 99711-4120. Os contatos também podem ser acionados em caso de manchas de óleo nas praias.

 

PARCERIA

A parceria entre o Instituto Gremar e a Prefeitura de Santos envolve o Ecoponto de descarte de petrechos de pesca, no Deck do Pescador, e ações de educação ambiental. A Municipalidade não está diretamente ligada ao monitoramento das praias, mas contribui na conscientização das pessoas para diminuir o impacto nos animais marinhos, principalmente por meio do Aquário de Santos.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

ULTRAMARATONA

Paulista que impressionou Stan Lee agora quer superar a Capadócia

Ultramaratonista Carlos Dias já percorreu os pontos mais extremos do mundo, impressionou até Stan Lee e agora quer novos desafios

ELEIÇÕES 2022

Com 'efeito Janones', Lula sobe 4 pontos e se distancia de Bolsonaro

Pesquisa BTG/FSB revela que 'efeito Janones' e conversão de indecisos turbinam campanha de Lula, que sobe para 45% nas intenções de voto

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software