Endividamento das famílias paulistanas cresce em janeiro

O índice atingiu 48,8%, o que significa um aumento de 2,6 pontos percentuais em relação a dezembro.

Comentar
Compartilhar
04 FEV 201313h40

O nível de endividamento das famílias paulistanas atingiu 48,8%, em janeiro, o que significa um aumento de 2,6 pontos porcentuais em relação ao resultado de dezembro. Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), feita pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Para as famílias com renda até dez salários mínimos, o índice foi maior (52,8%). Na análise dos economistas da Fecomercio, esse endividamento já era esperado em razão das compras de final de ano. Os analistas da entidade destacaram que as famílias com renda mais baixa dependem mais do crédito para manter os padrões de consumo.

Em números absolutos, as famílias endividadas somavam 1,659 milhão, em dezembro, e chegaram a 1,751 milhão, em janeiro. Em igual mês do ano passado, havia 1,521 milhão de famílias nessa situação.

O índice de famílias com contas em atraso apresentou ligeira queda de 0,5% na comparação com dezembro e ficou em 15,3%. Já em relação a janeiro de 2012, ocorreu alta de 4,9 pontos percentuais.

Em números absolutos, as famílias endividadas somavam 1,659 milhão, em dezembro, e chegaram a 1,751 milhão, em janeiro (Foto: Reprodução)

O endividamento por meio do cartão de crédito lidera com 68,2%, seguido por carnês, com 17,2%, financiamento de carro (12,3%), crédito pessoal (8,6%), cheque especial (6,8%), financiamento de casa (5,6%) e outros (6,8%). Na avaliação técnica da FecomercioSP, o movimento de compras com cartão de cartão de crédito está associado ao crescimento da capacidade de consumo nas classes C, D e E.

Nessas faixas de renda, 73% se endividaram com o uso do cartão de crédito. Os financiamentos de carro tiveram expansão de 2,12 pontos percentuais e o uso do cheque especial, de 1,57 ponto percentual.