Cotidiano

Em crise, Hospital São Paulo receberá repasse de R$ 58 milhões do Governo de SP

O hospital chegou a ficar até sem dipirona, segundo denúncia de familiares de pacientes

Joe Silva

Publicado em 25/04/2022 às 16:06

Atualizado em 25/04/2022 às 16:10

Compartilhe:

Após anos de reclamações ao longo de uma crise financeira, o Hospital São Paulo deve receber uma verba de R$ 58 milhões a ser provisionada pelo governo do Estado. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (25) pelo governo paulista e visa evitar o colapso do hospital que é referência em atendimentos ambulatoriais e de alta complexidade no município.

De acordo com o governador Rodrigo Garcia (PSDB), parte da verba será usada para a reforma do pronto-socorro do hospital, sendo R$ 50 milhões para custeio e R$ 8 para a obra.

"O pronto-socorro, que a partir de setembro vai estar reformado, atendendo a nossa população", disse Garcia. O valor de custeio extra será pago em nove parcelas, sendo a primeira já nesta segunda-feira (25).

O Hospital São Paulo tem como mantenedora a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM) e pertence à Unifesp - Universidade Federal de São Paulo. A unidade funciona sob a rede do Sistema Único de Saúde, o SUS.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Há anos o Hospital vem sendo alvo de reclamações relacionadas à crise financeira que afeta a operação de todo o completo.

Na última semana, funcionários e parentes de pacientes denunciaram falta de leitos e até de medicamentos elementares como dipirona. Segundo eles, o hospital não tinha nem condições de fazer nem sequer um simples hemograma. 


A fila de cirurgia já tem pacientes aguardando há mais de dois anos. O texto conta com informações do "g1".


"Até dipirona a gente tem que comprar. Remédio para escara. Tem enfermeira, coitada, que por fora está trazendo pomada e doando. Está um estado de calamidade", disse Sebastiana Severina da Silva, que tem um filho internado com câncer na unidade. 

Parte das denúncias feitas por parentes de pacientes é o reaproveitamento de materiais, como sondas. "A fisioterapeuta aspirou e teve que guardar a sonda para depois usar de novo, porque não tinha", conta Rita de Cássia da Silva que tem um filho com um problema grave no pulmão e que segue internado na UTI do hospital.

Precisando de uma cirurgia para tratar um tumor no olho, o sogro da técnica em enfermagem Luana Gomes Santos não consegue nem vaga no hospital. Ele tenta há dois anos por uma internação para realizar o procedimento. De acordo com Luana, a cirurgia chegou a ser marcada, mas não havia vaga na internação, por isso, a operação teve de ser cancelada.

Mantido principalmente com recursos federais, repassados por meio do SUS, o hospital tem contado também com auxílio do Estado. De acordo com informações da Secretaria Estadual da Saúde divulgadas na semana passada, a unidade recebeu R$ 560 milhões nos últimos três anos. A pasta informou ainda que mais R$ 66 milhões são esperados ainda em 2022 em investimentos do programa Mais Santas Casas. 

 

Corte de funcionários


No mês passado, centenas de médicos e enfermeiros que trabalhavam no Hospital São Paulo foram demitidos de suas funções.


Também neste ano, no mês de fevereiro, o pronto-socorro chegou a ser fechado e, na ocasião, somente atendimentos de especialidade estavam sendo realizados e os pacientes que procuram a unidade para atendimento clínico ou emergencial eram encaminhados para a UPA Vila Mariana.

 

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

Cidade do litoral de SP recebe evento sobre Cannabis Medicinal; veja a programação

Discussão ao longo dos anos vem ganhando corpo e a importação foi autorizada no Brasil há mais de 8 anos pela Anvisa

Diário Mais

Conheça a formidável ilha no litoral de SP onde você pode não sair com vida

Acesso ao local é proibido pelo risco constante de "acidentes fatais"

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter