Egípcias protestam contra violência sexual

A ativista Farah Shash disse que as agressões sexuais aumentaram desde novembro, quando se intensificaram os protestos contra o governo de Mursi

Comentar
Compartilhar
07 FEV 201312h31

 Mulheres lideraram nesta quinta-feira (7) um protesto no Cairo, no Egito, contra agressões sexuais ocorridas em manifestações no país. O ato é conduzido pelas palavras de ordem: “Abaixo o assédio sexual” e “O Egito para os egípcios e as egípcias”. Os manifestantes partiram da Mesquita Sayeda Zeinab, neta do profeta Maomé, dirigindo-se à Praça Tahrir – cenário escolhido para centralizar os protestos.

A ativista Farah Shash disse que as agressões sexuais aumentaram “drasticamente” desde novembro, quando se intensificaram os protestos contra o governo do presidente egípcio Mouhamed Mursi. “Os ataques são mais violentos e os testemunhos das vítimas demonstram que os agressores estão organizados”, disse ela.

Em fevereiro de 2011, quando houve protestos em favor da renúncia do então presidente Hosni Mubarak, a jornalista Lara Logan, da rede de TV norte-americana CBS, foi violentamente agredida enquanto trabalhava. Ela relatou ter sido estuprada e violada. Segundo a jornalista norte-americana, de 200 ou 300 homens a estupraram com mãos durante cerca de 40 minutos. Ela foi salva por um grupo de civis e militares egípcios que intercederam.