X

Cotidiano

Educação de gênero na escola previne feminicídios, dizem especialistas

“É impossível chegar a patamares razoáveis de violência sem que nas escolas, desde a educação infantil, haja um preparo para a igualdade de gênero”, disse ela durante audiência pública no Senado sobre os 12 anos da Lei Maria da Penha.

Agência Brasil

Publicado em 18/11/2018 às 09:16

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Para a subprocuradora, o machismo ainda é naturalizado no Brasil e pode evoluir para violência psicológica, lesão corporal e até homicídio. / Fotos Públicas

A educação para a igualdade de gênero nas escolas é essencial na prevenção da violência contra a mulher. A afirmação é da subprocuradora-geral da República, Luiza Cristina Frischeisen. “É impossível chegar a patamares razoáveis de violência sem que nas escolas, desde a educação infantil, haja um preparo para a igualdade de gênero”, disse ela durante audiência pública no Senado sobre os 12 anos da Lei Maria da Penha.

Para a subprocuradora, o machismo ainda é naturalizado no Brasil e pode evoluir para violência psicológica, lesão corporal e até homicídio. “Muito da violência doméstica está aliada à perspectiva de que o homem é dono da sua mulher, filha, da entenda, da sobrinha, daquela menina que tá no ponto de ônibus, na escola... Há que se ter educação de gênero e isso começa na escola e passa para a família, para que as meninas sejam consideradas sujeitos de direito e não coisas”, ressaltou.

Outro ponto que precisa de atenção, na opinião de Luiza Cristina, é a formação de abrigos e de núcleos especializados, com delegados, defensores e equipes treinadas para receber a mulher e os filhos. “É essencial fazer o atendimento na primeira denúncia, dar importância para o relato e adotar medidas protetivas. A criminalização é muito importante porque indica para a comunidade e para o réu que aquilo [a violência] não é normal, que é crime e que ele precisa ser punido”, disse.

Ela explicou que toda a comunidade precisa estar envolvida na prevenção à violência contra a mulher, em todos os seus níveis, inclusive no ambiente de trabalho. Para Luiza, é necessário o envolvimento dos empregadores para coibir assédios e “ações que são consideradas brincadeiras”. “Há coisas que não são mais toleráveis e todo mundo precisa saber disso”, ressaltou.

Luiza Frischeisen destacou ainda a importância de dar credibilidade ao depoimento das vítimas, mulheres e meninas. E nesse aspecto, a escola também é importante, segundo a subprocuradora. “Se a escola fala de educação sexual e igualdade de gênero, uma criança que começa a ser abusada com seis ou sete anos, vai saber que aquilo não é normal. São assuntos difíceis, mas imprescindíveis para a escola e as famílias”, disse.

Plataforma para educação em direitos humanos
Por isso, o Ministério da Educação (MEC) está desenvolvendo uma plataforma para a educação básica que trata de direitos humanos e igualdade, incluindo igualdade de gênero. Para a diretora substituta de Políticas de Educação em Direitos Humanos e Cidadania do MEC, Patrícia Laudry Mollo Vieira, educação em diretos humanos tem que ser entendida como processo formativo e o combate ao preconceito e discriminação em relação às mulheres é centrado na valorização da diversidade.

A plataforma vai funcionar como um espaço aberto de conteúdo digital destinado a qualquer cidadão. Mas, segundo Patrícia, a fala é direcionada à comunidade escolar e às famílias, com texto leve, de fácil compreensão, mas sem ser superficial. Ela será composta por módulos formativos. Um deles vai tratar sobre diversidade na escola e questões de preconceito, discriminação e bullying; outro sobre o que é educação e direitos humanos, como aparece no cotidiano; e um terceiro sobre mediação de conflitos, como eles são importantes para levantar questões e como podem ser encaminhados na escola.

A plataforma estará acessível no site do MEC e a previsão é que seja lançada até dezembro deste ano.

Patrícia conta que, em 2016, foi firmado o Pacto Universitário de Educação em Direitos Humanos, para realizar atividades educativas de promoção e defesa dos direitos humanos, incluindo direitos das mulheres. Hoje, ele conta com a adesão de 154 instituições de ensino superior.

Maria da Penha
Sancionada em 7 de agosto de 2006, a Lei 11.340 representa um marco para a proteção dos direitos femininos ao endurecer a punição por qualquer tipo de agressão cometida contra a mulher no ambiente doméstico e familiar. Fruto dessa lei, o crime do feminicídio foi definido legalmente em 2015 como assassinato de mulheres por motivos de desigualdade de gênero e tipificado como crime hediondo.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Atropelamento em Guarujá deixa três feridos e dois ficam em estado grave

O incidente ocorreu por volta das 23h40 e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência foi acionado

Polícia

Mulher agride homem em suposto caso de homofobia em shopping de Praia Grande

Nas imagens, duas mulheres aparecem trocando tapas; caso teria iniciado após um homem chamar um garoto de 'v...'

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter