Dirigente do PSDB paga postagem do prefeito no Facebook

Publicação no perfil do prefeito de Santos chamou a atenção de internautas por apresentar no canto o brasão da Prefeitura e ter sido “patrocinada”, ou seja, paga para ter maior divulgação

Comentar
Compartilhar
18 MAR 201512h14

Uma recente postagem no perfil pessoal do prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), chamou a atenção de alguns internautas. A mensagem alertava para a necessidade de se combater o desperdício de água e informava a desativação de 75% de chuveirinhos da orla.

Porém, o que chamou a atenção não foi a mensagem, mas o fato dela apresentar no canto o brasão da Prefeitura e ter sido “patrocinada”, ou seja, paga para ter maior divulgação no Facebook. Esta rede social, considerada com maior número de seguidores, só aceita pagamento para este tipo de postagem com cartão de crédito internacional.

Ficam, então, as perguntas: a Prefeitura de Santos pagou para impulsionar a publicação do prefeito? E tem cartão de crédito internacional?

Acionada pelo Diário do Litoral, a Secretaria de Comunicação e Resultados (Secor) respondeu que “qualquer pessoa pode postar, comentar, visualizar, compartilhar e impulsionar os vídeos que estão disponíveis gratuitamente e com livre acesso na página da internet da Prefeitura com os devidos créditos de autoria”. Já quanto ao pagamento da postagem, a Secor remeteu o caso ao diretório municipal do PSDB.

O fato de a publicação ser patrocinada e, ao mesmo tempo, ter o brasão da Prefeitura chamou a atenção de internautas (Foto: Reprodução)

‘Embrionário’

Presidente da legenda em Santos, Juan Manuel Villarnobo Filho, o Mandy, disse que pagou a postagem com seu cartão de crédito pessoal. Ele não lembrava se o gasto tinha sido de R$ 30,00 ou R$ 35,00.

Segundo o dirigente partidário, o pagamento da postagem foi um “ato embrionário de um programa de comunicação das redes sociais”. Por problemas em sua agenda, Mandy não acompanhou a repercussão e o impacto da postagem de Paulo Alexandre.

De acordo com ele, o PSDB tenta junto a um banco obter um cartão de crédito internacional para ações como a realizada no Facebook, mas tem esbarrado nas exigências da instituição bancária.