Dia das Mães: Procura por presentes ainda é tímida no centros comerciais

Expectativa dos comerciantes da Região é que o movimento melhore entre quinta-feira e sábado

Comentar
Compartilhar
09 MAI 2017Por Vanessa Pimentel08h00
Lojistas dizem que apesar da procura ainda estar devagar, a expectativa é boa devido ao costume dos brasileiros de 'última hora' e apostam também em promoçõesFoto: Rodrigo Montaldi/DL

A menos de cinco dias para o Dia das Mães, celebrado em 14 de maio, o movimento nos centros comerciais da Região ainda é tímido, porém alguns comerciantes já estão mais animados porque no último sábado, segundo eles, tanto a procura quanto a compra efetiva dos presentes para as mães subiu em relação aos dias anteriores.

Emília Homsi, proprietária de uma loja de roupas femininas no Gonzaga, em Santos, já colocou algumas peças em promoção e uma vitrine enfeitada de rosas para atrair a clientela. “Pode colocar aí: a esperança é a última que morre! Porque assim é a vida do comerciante nesses tempos de crise”, brinca ela ao responder sobre o fraco movimento da segunda-feira.

Emília diz que já não se assusta mais com a falta de clientes nos dias anteriores a datas especiais porque “os brasileiros são assim mesmo e deixam tudo para última hora, é sempre assim. Na sexta e no sábado isso muda”, afirma. A data é considerada pelos lojistas a segunda mais importante do comércio, perdendo apenas para o Natal.

“Eu ainda estou só pesquisando preços para escolher o que vou levar, mas acho que vou acabar comprando só na sexta-feira. Quero gastar até R$100 porque preciso comprar para minha mãe e minha sogra”, explica a consumidora Vera Lucia Pompeu. Olhando a vitrine de uma loja de bolsas, ela diz que os preços estão na média do ano passado, mas notou um aumento na área de cosméticos e perfumarias.

Em outro estabelecimento no ramo de calçados, além da variedade de modelos e preços, o consumidor leva para casa uma embalagem especial, onde é possível escrever os dizeres carinhosos ali mesmo e transformar o que seria apenas uma sacola, em um cartão especial.

Perfumaria

Cosméticos e perfumaria são bem requisitados no Dia das Mães. Aline Magalhães, gerente de uma rede de lojas do setor, explica que desde sábado as vendas melhoraram e a expectativa é de grande procura durante o final de semana, mesmo com a crise. Para não faltar mercadoria os estoques foram reforçados e há desde kits promocionais, a hidratantes e perfumes. “Os perfumes são os que mais saem, mas para agradar todos os bolsos, o cliente pode optar pelos kits ou sabonetes”, explica Aline.

Pesquisa

Uma pesquisa realizada pela empresa Boa Vista SPC em abril mostra que o valor médio gasto em presentes se manterá igual ao ano passado, em R$ 197. No entanto, houve um aumento de 48% para 55% entre os que irão comprar itens com valores de até R$ 100.

Ainda de acordo com o estudo, o preço será decisivo na compra do presente neste Dia das Mães, já que o atributo “promoção ou desconto” registrou um crescimento de 17%, passando de 26% para 43%, em comparação a 2016. Já ano passado, o desejo da pessoa presenteada foi o atributo mais importante no momento da escolha.

Pais são mais presenteados com livros do que as mães, segundo livreiro

A livraria Martins Fontes, localizada na Avenida Ana Costa, em Santos, também se preparou para o Dia das Mães, “Mas, olha, a procura está boa, mas não como é no Dia dos Pais”, responde o proprietário Waldemar Martins Fontes. Livreiro há mais de 50 anos, ele diz que sempre é assim: os livros são mais procurados no Dia dos Pais do que no Dia das Mães.

Questionado se arriscaria um palpite do por que isso acontece, Waldemar acredita que é cultural. “As pessoas se acostumaram a achar que os homens são mais intelectuais que as mulheres. Antigamente eram eles que trabalhavam e assumiam as profissões que necessitavam de leituras, mas hoje gosto de falar para quem pensa assim que temos a brilhante Cármem Lúcia como presidente do Supremo Tribunal Federal”, justifica.

Com tanto tempo na área, ele fala que o movimento de mulheres na loja não para de crescer, assim como o número de títulos feitos para e por elas. “Temos mulheres que compram livros e trocam entre si, como se fosse um clube de leitura feminino”, conta.

No balcão do caixa, as opções são diversas. Tem livros para mães de primeira viagem, mães artistas, mães ligadas em moda, música ou em estudos científicos.

Na vitrine, as mulheres também estão em destaque (talvez para tirar de vez a ideia de que mulheres não leem). Um deles é o título “D.Leopoldina. A Mulher Que Arquitetou A Independência Do Brasil”, de R$64,90 por R$51,92 e a biografia da apresentadora Hebe Camargo, por R$34,90

“Com R$40 é possível presentear as mães com um belo livro”, declara Waldemar.