Destroços do Costa Concórdia, naufragado há um ano, serão removidos

Costa Concórdia, que encalhou há um ano na Itália, será removido em setembro deste ano.

Comentar
Compartilhar
12 JAN 201318h18

A remoção dos destroços do navio de cruzeiro Costa Concórdia, encalhado há um ano no pequeno porto da ilha toscana de Giglio, ocorrerá o mais tardar em setembro, segundo prometeu neste sábado (12) o chefe da proteção civil italiana, Franco Gabrielli.

“O programa prevê a retirada definitiva do navio em setembro”, disse ele durante uma coletiva de imprensa na ilha de Giglio. Amanhã (13), o naufrágio, que causou 32 mortes, completa um ano.

Trata-se de uma operação “de caráter excepcional que não tem precedente” e que deve ter em conta “as consequências para o ambiente e para os habitantes”, destacou Gabrielli.

As operações de retirada do navio foram adiadas várias vezes. Segundo o chefe da proteção civil italiana, a escolha da empresa privada encarregada do salvamento foi feita em função da exigência do “respeito pelo ambiente e pelas atividades econômicas da ilha”, sobretudo o turismo.

uase um ano depois do naufrágio, o navio Costa Concordia permanece na Ilha de Giglio, na Toscana (Itália). O Costa Concordia transportava 4.229 pessoas, entre elas mais de 3.200 passageiros. Trinta e duas pessoas morreram no naufrágio e os corpos de duas vítimas nunca foram encontrados. A tragédia ocorreu no dia 13 de janeiro de 2012. (Foto: AFP)