Desleixo, invasão e sujeira em antiga policlínica irritam moradores da Pompeia

Guarda Municipal é acionada mas a situação não é resolvida. O imóvel foi desativado em 21 de dezembro e a Prefeitura inaugurou a nova policlínica dia 30, na Rua Ceará

Comentar
Compartilhar
21 JAN 2021Por Carlos Ratton19h06
Vizinhança quer que Prefeitura acione dono do imóvelFoto: Nair Bueno/DL

O simples fato de se abrigar está irritando moradores do entorno da antiga Policlínica Pompéia/José Menino, localizado à Avenida Floriano Peixoto, 201. O imóvel, desativado em 21 de dezembro último, vem sendo usado por pessoas em situação de rua. A Prefeitura inaugurou a nova policlínica dia 30, na Rua Ceará, 11 – Pompeia.

Eles afirmam que, acionada, a Guarda Municipal retira diariamente as pessoas que ocupam a área frontal do imóvel mas, assim que a guarnição vai embora, elas retornam. Ontem, durante a reportagem, dois homens dormiam no local.    

Um dos mais inconformados é o aposentado Cláudio Magalhães, que mora em um prédio vizinho ao imóvel. "Quando desocupa o imóvel, a Prefeitura deveria exigir do proprietário alguma garantia contra invasão até que seja relocado. Eu até liguei para o secretário de Segurança, Sérgio Del Bel, que me disse que iria solicitar o contato com o dono para que ele cercasse o local", afirma Magalhães.

Segundo o aposentado, as pessoas acabam urinando, defecando e deixando restos de comida na área do imóvel. "Também fiz reclamação na Ouvidoria e percebi que houve a retirada de lixo, mas o cheiro forte permanece. O proprietário precisa murar ou fechar com tapumes para evitar mais constrangimentos", finaliza Magalhães.

Outro morador das imediações, Paulo Fernando Sá, diz que até uma barraca de camping foi montada semana passada na área externa do imóvel. "Eu liguei para a Guarda e a situação foi, momentaneamente, resolvida. Mas a gente fica apreensivo", afirma.    

O presidente da Sociedade de Melhoramentos da Pompeia, José Carlos de Almeida, o Caculé, disse que o proprietário precisa isolar o imóvel até por questões de segurança. "As pessoas em situação de rua só se abrigam, o problema é marginais que podem usar o imóvel como esconderijo após a prática de delitos, principalmente à noite", afirma.

Prefeitura

A Reportagem tentou obter da Administração se o dono do imóvel foi acionado, mas a Administração resumiu que Secretaria de Desenvolvimento Social (Seds), responsável pela equipe de abordagem social à população de rua, mantém o bairro da Pompeia em seu roteiro de monitoramento cotidiano.

Esclarece que as abordagens são realizadas nos logradouros públicos e desenvolvem um trabalho de aproximação, escuta qualificada e formação de vínculos de confiança, com o objetivo de fortalecer e encorajar na direção do acesso aos demais serviços.

Também que a equipe pode ser acionada a qualquer momento através do telefone 153, que tem atendimento diário (24h). O atendimento será ofertado àqueles que, de forma voluntária, desejarem acesso aos serviços municipais. Informações como nome, idade, descrição física e local exato onde a pessoa se encontra são muito importantes na hora de ligar. Denúncias também podem ser feitas pelo telefone 153.

Nova

A nova unidade da Rua Ceará é 100% climatizada, acessível, monitorada e informatizada. Oferece melhor infraestrutura aos cerca de 15 mil usuários, além de melhores condições de trabalho aos 45 servidores da unidade.

O prédio pertence à Capep-Saúde e tem cessão onerosa à Secretaria de Saúde no valor mensal de R$ 8.500,00 – 30% menor do que custava o imóvel anterior. O imóvel passou por ampla reforma e adequações, incluindo a construção de bloco térreo aos fundos para a unidade de saúde e de um anexo à Capep, com investimento de R$ 226,6 mil provenientes de emenda do vereador Roberto Teixeira.

Também foram investidos R$ 90 mil na compra de novos mobiliários como armários, cadeiras, poltronas, aparelhos de ar-condicionado e computadores, sendo R$ 15,6 mil de emenda da vereadora Audrey Kleys e R$ 10 mil do vereador Fabrício Cardoso.