Deputado pede instalação de guarita na Bacia Hidrográfica do Rio Branco, em Itanhaém

A medida visa salvaguardar a natureza, evitar um desequilíbrio ambiental e preservar a segurança, a cultura popular e extrativista da região

Comentar
Compartilhar
06 MAI 2021Por Da Reportagem19h46
O deputado estadual Caio França (PSB), presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa de São Paulo.O deputado estadual Caio França (PSB), presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa de São Paulo.Foto: Divulgação

O deputado estadual Caio França (PSB), presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa de São Paulo, na posição de interlocutor da Prefeitura Municipal de Itanhaém por meio dos Conselho Municipais de Turismo (Comtur), Meio Ambiente (Condema) e Desenvolvimento Rural Sustentável, bem como de representante da sociedade civil por meio das Associações Comercial, dos Empreendedores do Turismo de Itanhaém (Asseturi) e dos Produtores Rurais da Microbacia Hidrográfica do Rio Branco, Pescadores Artesanais, Aquicultores e Indígenas (AMIBRA), está solicitando uma reunião com a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Infraestrutura e representantes da Fundação Florestal para tratar da adoção de medidas urgentes de proteção e controle de acesso de visitantes à região do Vale do Rio Branco e adjacências, em Itanhaém.

A área de forte apelo ecoturístico e paisagístico, abrange importante manancial de água- Sistema Mambu Branco- que abastece os municípios de Peruíbe, Itanhaém, Mongaguá, Praia Grande e São Vicente. A medida se justifica pela necessidade de preservação do manancial e pela degradação e exploração inadequada de áreas protegidas e ambientalmente sensíveis como o Parque Estadual da Serra do Mar (Núcleo Curucutu) e sua Zona de Amortecimento. Além da necessidade de ordenar a entrada de pessoas, é necessário coibir ocorrências causadas por caçadores, coletores de espécies nativas, invasores, posseiros, entre outras ameaças existentes. 

Um dos maiores atrativos da Cidade, a Cachoeira Três Quedas, cujo acesso à entrada da trilha ocorre a partir da Bacia Hidrográfica do Rio Branco e segue um percurso de 13 km de estrada rural, vem sendo degradada nos últimos anos, de acordo com o apontamento de vistorias realizadas pela Prefeitura. O trajeto também passa por propriedades de agricultores familiares. O excesso de pessoas, acidentes, fogueiras, atos de vandalismo, depredação do meio ambiente natural, acúmulo de resíduos (lixo), uso de drogas, consumo de bebidas alcoólicas, assaltos e furtos aos frequentadores são alguns dos problemas recorrentes relatados na localidade.

Após análise de documentação, vistoria e estudo georreferenciado, a Prefeitura já identificou um local apropriado para implantação de um sistema de controle de acesso, através da construção de guarita e monitoramento com guarda-parque nas proximidades da Unidade de Conservação do Parque Estadual da Serra do Mar.

O deputado Caio França já está intermediando uma reunião entre a Prefeitura, a Secretaria de Meio Ambiente e a Fundação Florestal com a finalidade de pedir medidas urgentes de proteção e controle de acesso à localidade. 

“Precisamos ordenar a visitação, especial com destino à Cachoeira Três Quedas, estamos diante de um problema grave que envolve a manutenção da vida dos ecossistemas e a garantia da segurança da população que habita a área, e dos próprios visitantes”, finalizou o parlamentar.