Depois de madrugada chuvosa, Rio entra em estágio de vigilância

A passagem de uma frente fria pelo estado nas próximas 24 horas deixará o tempo instavel.

Comentar
Compartilhar
26 JAN 201313h12

Depois de entrar em estágio de atenção por causa do temporal da madruga de sábado (25) a cidade do Rio voltou ao estágio de vigilância, que indica ausência de chuva ou chuvas fracas nas próximas horas.

Segundo boletim do Centro de Operações da Prefeitura, os núcleos de chuva que causaram as fortes pancadas se deslocaram para o oceano. A passagem de uma frente fria pelo estados nas próximas 24 horas, entretanto, deixará o tempo instável. As fortes chuvas da madrugada causaram transtornos na capital, na Região Metropolitana e na Baixada Fluminense. Vias como a Avenida Brasil e a Avenida Santa Cruz ficaram alagadas.

O risco de deslizamento levou a Defesa Civil a acionar as sirenes das comunidades da Rocinha, Vidigal, Chácara do Céu e Sítio Pai João e Rio das Pedras a partir das 4h. Moradores foram orientados a se dirigir aos 18 pontos de apoio distribuídos pelas cinco áreas. Os equipamentos são acionados quando a chuva passa de 40 milímetros por hora. Na Rocinha, choveu 58,5 milímetros. Já na estação do Vidigal, choveu em uma hora 35,2% da média para o mês de janeiro.

Na Zona Norte do Rio, uma rua ficou interditada nas proximidades do estádio do Maracanã, após a queda de uma árvore. Os bairros mais atingidos na região foram Parada de Lucas, Vigário Geral e Irajá.

Por causa das fortes chuvas da madrugada as sirenes da favela da Rocinha foram acionadas. (Foto: Divulgação)

Em São Gonçalo, o asfalto cedeu em uma avenida e um Gol preto acabou sendo engolido pela cratera aberta na via. Os dois ocupantes do veículo sofreram apenas ferimentos leves.

Na Baixada Fluminense, os rios estão em estado de atenção devido por risco de transbordamento. Pela manhã a situação voltou a ao estado de atenção. Os rios de Angra dos Reis e da Região Serrana também estão nessa situação.

Na cidade serrana de Nova Friburgo, a mais castigada pelas chuvas do verão de 2011, um sistema de alerta formado por oito cornetas viradas em várias direções voltou a funcionar no sábado, após ter tido quatro sirenes furtadas na quinta-feira.