Cubatão adotará ações para acolhimento de dependentes de crack

Estratégias foram discutidas em reunião na Secretaria de Assistência Social da Cidade.

Comentar
Compartilhar
23 JAN 201311h31

Aperfeiçoar estratégias de acolhida de usuários de crack no Pronto-Socorro Municipal e no Hospital Modelo de Cubatão, por meio de capacitações de pessoal, entre outras medidas. Acelerar a celebração de convênios com as comunidades terapêuticas para internação de drogadictos, se necessário, segundo o que dispõe a lei municipal 3.492/11. São providências de caráter emergencial a serem tomadas pela Prefeitura de Cubatão, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, decididas em reunião multidisciplinar na manhã desta terça-feira (22), na sede da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas).

Da discussão, tomaram parte representantes das pastas municipais de Assuntos Jurídicos; Emprego e Desenvolvimento; Educação; Saúde; Assistência Social, além daqueles do Centro Ambulatorial à Dependência Química (Cadeq); do Conselho Municipal Antidrogas (Comad) e do Conselho Municipal de Saúde. Foi também decidido formar uma comissão para criar o Plano Municipal Antidrogas, e definido um cronograma de atividades para concretizar tal medida, em médio-longo prazo.

A idéia é criar uma rede de proteção social que abranja representantes de todas as secretarias e de entidades civis de combate e de prevenção às drogas. (Foto: Allan Nóbrega/ Divulgação)

Próxima reunião dia 29

A próxima reunião, para dar continuidade aos trabalhos foi marcada para o próximo dia 29, a partir das 9 horas, no mesmo local. Fora os integrantes do encontro já realizado, são esperados para esta oportunidade representantes das secretarias municipais de Cultura e de Esportes e ainda do Conselho Tutelar.

A ideia é criar uma rede de proteção social que abranja representantes de todas as secretarias e de entidades civis de combate e de prevenção às drogas, a exemplo do Cadeq.

Desse conjunto devem tomar parte ainda entidades religiosas, Polícia Militar (PM), Ministério Público, sindicatos e a população. Deverá haver discussão nos bairros, junto às unidades de saúde, para colher opiniões dos munícipes sobre realidades vividas em cada bairro.

Equipamentos

No Município, já existem equipamentos tratando o adicto, como o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps A-D), da Prefeitura; o Cadeq, de forte atução preventiva junto às escolas, com ênfase nas escolas da rede municipal; e a Associação Brasileira de Apoio a Prevenção às Drogas (Abrapred). Vale lembrar que a criação do Plano Municipal Antidrogas foi um compromisso firmado pelo secretariado em sua primeira reunião, logo após a posse, conforme lembraram participantes do encontro.