SABESP AGOSTO DESK TOPO
SABESP AGOSTO MOB

CPFL registra 36 interrupções por queimadas entre janeiro e junho na Baixada Santista

Levantamento mostra que Santos, Cubatão e Guarujá lideram o ranking e distribuidora alerta sobre transtornos e prejuízos que esse tipo de desligamento traz à população

Comentar
Compartilhar
13 JUL 2020Por Da Reportagem18h06
m 2019, as queimadas resultaram em 76 ocorrências de interrupção no fornecimento de energia, 9,6% menos que as 84 de 2018Foto: Divulgação

O tempo seco característico do início do inverno brasileiro traz uma preocupação adicional para distribuidoras e transmissoras de energia elétrica: o risco de incêndio em terrenos baldios ou áreas rurais sob as redes de distribuição e transmissão. Um levantamento feito pelo Centro de Operações da CPFL Piratininga mostra que na Baixada Santista, entre 1º de janeiro a 15 de junho deste ano, foram contabilizadas 36 queimadas responsáveis por interrupções no fornecimento de energia, cerca de seis por mês. Em 2019, as queimadas resultaram em 76 ocorrências de interrupção no fornecimento de energia, 9,6% menos que as 84 de 2018.

“Embora haja uma queda nos registros entre 2018 e 2019, é importante a conscientização da população e dos produtores agrícolas, pois os incêndios sob a rede de distribuição de energia são, muitas vezes, causados pelo uso do fogo como método de poda de algumas plantações. O impacto das queimadas é maior ainda quando acontecem sob as linhas de transmissão, responsáveis pelo abastecimento de regiões inteiras”, alerta Josias de Souza, gerente de operações de campo da CPFL Piratininga.

Entre os municípios com mais interrupções na Baixada Santista, Santos registrou 21 ocorrências, ficando em primeiro lugar. Cubatão ocupa a segunda posição com 7 casos. Guarujá é o terceiro da lista com 3 registros empatado com Praia Grande, seguidos por São Vicente com 2, em quinto colocado.

Geral

Entre janeiro e junho de 2020, a CPFL Piratininga já registrou 94 queimadas que afetaram a rede elétrica em toda a sua área de atuação. Considerando 2019, as interrupções desse tipo caíram 18,5% em relação a 2018. Foram 224 ocorrências no ano passado contra 275 no ano anterior.

De acordo com o estudo da distribuidora, que atende 1,7 milhões de consumidores em 27 municípios do interior paulista e Baixada Santista, em 2020, até o momento, Santos lidera o ranking geral de queimadas, totalizando 21 ocorrências. Em segundo lugar vem Jundiaí, com 11 casos e, na sequência, Sorocaba, com 10 registros (para mais detalhes, confira a tabela abaixo).