Contratação nos terminais está suspensa até 4 de março

Decisão em consenso, dá fôlego a 1.700 portuários avulsos que temem desemprego

Comentar
Compartilhar
03 FEV 201321h44

Até o próximo dia 4 de março nenhum trabalhador portuário será contratado com vínculo empregatício nos terminais de contêineres da Rodrimar, Tecondi, Santos-Brasil e Libra Terminais.

Este foi o consenso a que chegaram os sindicatos que representam os trabalhadores portuários avulsos e o Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo (Sopesp), em reunião realizada na manhã de ontem, na sede da Delegacia Regional do Trabalho, do Ministério do Trabalho, em Santos. Os sindicatos dos portuários avulsos são contra a admissão de 300 trabalhadores da capatazia com carteira assinada.

Segundo o presidente do Sindicato dos Operários e Trabalhadores Portuários em Geral nas Administrações dos Portos e Terminais Privativos e Retroportos do Estado de São Paulo (Sintraport), Robson de Lima Apolinário, o vínculo empregatício desses 300 trabalhadores provocaria o desemprego de 1.700 avulsos.

A suspensão do vínculo era esperada para ontem, segundo declarou Apolinário ao DL, no último dia 12, quando houve reunião da categoria. De acordo com o sindicalista, as partes envolvidas voltam a se reunir na Delegacia Regional do Trabalho, no dia 4 de março para a resolução desse impasse.

CAP

A discussão do vínculo também foi pautada na reunião de ontem do Conselho de Autoridade Portuária (CAP). Mas, segundo informou a assessoria de imprensa do CAP, o conselho, por lei, não pode deliberar sobre a questão, mas fez uma menção à iniciativa dos sindicatos dos trabalhadores, que defendem a preservação da mão-de-obra avulsa nos terminais de contêineres.

Já o presidente do Sintraport, Robson Apolinário, disse ontem que “alguns segmentos se pronunciaram a favor dos trabalhadores e das negociações com os terminais, durante a reunião do CAP”.