Consumidora recorre à Justiça contra Carrefour

Após quatro meses do furto de uma moto, loja de São Vicente ainda não apresentou solução à cliente

Comentar
Compartilhar
25 JAN 201323h14

A vendedora Flávia Gonçalves de Oliveira aguarda há quatro meses por uma solução do Carrefour sobre o furto de sua moto Honda XR 250 Tornado, preta, ano 2007/2008, placa DYP 3902/Santos, do estacionamento da loja de São Vicente. Flávia fazia compras no dia 4 de fevereiro, quando teve seu veículo roubado do estacionamento do Carrefour.

Flávia disse que procurou a gerência da loja no mesmo dia, assim que percebeu o furto, e que o gerente entraria em contato com ela posteriormente. Segundo ela, até hoje a rede de hipermercados não se manifestou se vai ressarcir o prejuízo ou não. A moto está avaliada em aproximadamente R$ 12 mil.

Flávia disse que a moto era utilizada por seu marido para trabalho. Wagner Hermínio de Lima é motoboy autônomo. Para requerer outra moto ou indenização no valor do veículo, Flávia recorreu à Justiça contra o Carrefour. A moto que havia sido financiada ainda está sendo paga.

De acordo com o advogado que representa Flávia, Fernando Ribeiro de Souza Paulino, foi impetrada ação pedindo indenização por danos morais e materiais e lucros incessantes. “O Carrefour tem responsabilidade sobre o furto e está se negando a ressarcir o prejuízo”, afirmou Paulino.

“O Carrefour está inclusive se negando a fornecer as imagens registradas pelas câmeras de monitoramento do estacionamento. O Carrefour alega que a câmera filma, mas não grava”. Ainda conforme o advogado, o Carrefour ainda não se pronunciou no processo.

A coordenadora do Procon de São Vicente, Roseli Andreassa, também disse que o Carrefour é responsável pelo furto do veículo, ocorrido em seu estacionamento. Roseli explicou ainda que, conforme lei estadual, estabelecimentos com número de vagas acima de 50, são obrigados a fazer seguro.

Roseli orienta que a consumidora poderia denunciar o caso ao Procon, com base no Código de Defesa do Consumidor, assim como recorrer ao juizado especial se o valor do bem for até 20 salários mínimos.

Resposta do Carrefour

Em nota, o Carrefour respondeu que “em relação ao ocorrido na Loja São Vicente, a empresa informa que está aguardando a entrega — pela cliente — dos documentos necessários para dar continuidade à análise do relatado pela mesma e tomar as medidas cabíveis. A rede reitera que conta com equipes treinadas para oferecer segurança aos seus clientes e funcionários no ambiente de suas lojas em todo o Brasil. Além disso, dispõe também de eficiente sistema de vigilância em seus estacionamentos, com cancelas tanto na entrada quanto na saída”.

O Carrefour não informou, no entanto, quais documentos a cliente deveria apresentar, que medidas poderiam ser tomadas para ressarcir o prejuízo e não se pronunciou sobre a ação judicial impetrada pelo advogado da cliente.