Consultor da Unesco busca parcerias com projetos da Prefeitura

Projetos de economia solidária junto aos agricultores da Serra do Guararu despertaram a atenção do professor Marcos Castanheira

Comentar
Compartilhar
12 MAR 201517h17

As experiências de Guarujá em fortalecer a agricultura familiar para, gradualmente, inserir os alimentos cultivados na merenda escolar despertaram a atenção do consultor da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco)/ HidroEX, o engenheiro agronômo e professor Marco Antônio Castanheira. Ele esteve em Guarujá na sexta-feira (6), em visita oficial ao Gabinete da prefeita Maria Antonieta de Brito visando iniciar parcerias com a Prefeitura.

“Conheci o professor Castanheira e o conversamos muitos sobre nossos projetos. Ele se interessou e fiz o convite para que nos visitasse, com interesse de conhecer melhor nossas ações de economia solidária, segurança alimentar e trazer sua experiência sobre as escolas sustentáveis. Quero inclui-lo na nossa discussão e, posteriormente, pretendemos formalizar uma grande parceria”, disse Antonieta.

O consultor da Unesco/HidroEX pontuou que busca trazer a discussão sobre o conceito de agroecologia (manejo ecológico dos recursos naturais, através de formas de ação social coletiva, com propostas de desenvolvimento participativo) na Cidade, com base nas experiências já realizadas em Guarujá.

Professor Marcos Castanheira visita Maria Antonieta Maria de Brito visando iniciar parcerias com a Prefeitura, na última sexta-feira, 6 (Foto: Pedro Rezende/PMG)

A possibilidade de formalizar uma parceria entre a Prefeitura de Guarujá e a Universidade de Ouro Preto também foi apontada pelo professor, ressaltando que as conversas estão em fase inicial.

“A prefeita teve a preocupação de organizar o Município na merenda escolar, comprando incluindo orgânicos da agricultura familiar. Criou-se a demanda, que não tem oferta ainda. Ela é muito sensível a estas questões e deu alguns passos. Sem dúvida, Guarujá está entre as cidades mais avançadas do Brasil nesta questão”, comentou Castanheira.