'Construção de túnel entre Santos e Guarujá é impossível no atual governo', diz vice de Doria

A proposta do túnel, de acordo com Rodrigo Garcia, não seria implementada pela Ecorodovias e, por isso, poderia ter dificuldades de viabilidade econômica

Comentar
Compartilhar
18 OUT 2019Por Folhapress14h02
Segundo Garcia, o projeto atual da ponte atende às necessidades da CodespFoto: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

O vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia, afirmou nesta sexta-feira (18) que um projeto de um túnel de ligação entre as cidades de Santos e Guarujá, projeto preferido pelo governo federal, não é viável para realização na atual gestão Doria. Ele defende a construção de uma ponte no local.

"Temos negociado com a concessionária Ecorodovias a ponte do porto de Santos. São Paulo tem condições de fazer a ponte, através de um aditivo contratual com concessionária. A ponte é efetivamente dentro do porto, e precisaria da autorização da autoridade portuária, do governo federal", afirmou a jornalistas durante premiação do ranking de competitividade dos estados.

Segundo Garcia, o projeto atual da ponte atende às necessidades da Codesp. "O porto criticava o projeto porque ele poderia inibir o avanço do porto pós-ponte, os grandes navios não chegariam. Eu garanto que todos os navios hoje em atividade no mundo podem passar a ponte projetada pelo governo de São Paulo", disse.

A proposta do túnel, de acordo com Garcia, não seria implementada pela Ecorodovias e, por isso, poderia ter dificuldades de viabilidade econômica.

"A autoridade portuária sugeriu a construção de um túnel que não está no escopo da Ecorodovias e, portanto, no nosso governo é impossível discutir, estamos focados na ponte. Deixamos claro para a sociedade que este projeto o governo tem condições de iniciar imediatamente. Nós já estamos em licenciamento ambiental."

A construção da ponte, que levaria 24 meses, pode ser iniciada mesmo antes do processo de eventual privatização do porto, diz Rodrigo Garcia.

"Mesmo com o porto estatal, ao nosso ver, é possível iniciar a construção. Essa é a opinião do governador Doria e para isso estamos negociando com o governo federal. Para o governo de São Paulo, o projeto da ponte é o melhor e é viável, uma realidade. Qualquer outro projeto vai demandar estudos de impacto econômico e ficaria para outros governos."

Garcia afirmou ainda que a prioridade do governo Doria na área da infraestrutura é o trem intercidades, que ligaria São Paulo e Campinas. 

"Dependemos de uma certidão de nascimento que é a prorrogação da malha ferroviária da Rumo e da MRS Logística, que são concessionárias federais, para que São Paulo tenha o direito de passagem e de uso desses trilhos", disse.

"Estamos com o modelo pronto para o trem intercidades, que ligará São Paulo a Campinas. Esperamos que até o final do ano esse contrato esteja renovado e que São Paulo possa seguir com o trem."

O vice-governador de São Paulo afirmou também que, nos próximos dias, os governos estadual e federal deverão assinar um memorando de entendimento para garantir que a Ceagesp mude de local.

"O Estado é acionista minoritário na Ceagesp, que é controlada pelo governo federal. Tanto a prefeitura e o governo estadual querem que o entreposto seja transferido da cidade. Queremos uma requalificação urbana na região da Vila Leopoldina", disse.