Consciência onde uma vida negra é silenciada a cada 23 minutos

Desde 2003, quando foi inclusa no calendário escolar, o Brasil celebra o Dia Nacional da Consciência Negra em 20 de novembro

Comentar
Compartilhar
20 NOV 2017Por Rafaella Martinez10h30
Personagens representam um universo de mais de 111 milhões de pessoasPersonagens representam um universo de mais de 111 milhões de pessoasFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Marco. Ronaldo. Ruth. Samara. Quatro personagens de um universo de mais de 111 milhões de pessoas - o equivalente a 53,6% da população brasileira. O número expressivo ressalta também o tamanho das barreiras educacionais e sociais no país: em 2015, apenas 12,8% dos negros entre 18 e 24 anos chegaram ao nível superior e 80% ganhava menos de dois salários mínimos.

Os dados evidenciam também a desigualdade social gerada pela cor da pele, latente ainda em 2017: negros são três quartos da população mais pobre e a chance de um adolescente negro ser assassinado é três vezes maior do que a de um jovem branco. Desemprego e trabalho infantil são maiores para esse grupo. A taxa de analfabetismo também.

Samara, Ruth, Ronaldo e Marco são personagens de histórias distintas e que se cruzam no Brasil que silencia uma vida negra a cada 23 minutos. No Brasil onde a consciência não pode ser tratada apenas como uma data no calendário - instituída em homenagem à morte de Zumbi, o último dos líderes do Quilombo dos Palmares.

Desde 2003, quando foi inclusa no calendário escolar, o Brasil celebra o Dia Nacional da Consciência Negra em 20 de novembro, data que ainda é necessária para refletir sobre o racismo e o preconceito velado na sociedade, 129 anos após o fim da escravidão.

Para o poeta e militante social Ronaldo Pereira, o nome da data já tem uma conotação preconceituosa. “Saudamos e reconhecemos esse dia em homenagem a zumbi. Mas o Brasil é o único país no mundo que usa o termo ‘negro’. Tudo o que é negro nos remete a coisas ruins: a lista é negra, denegrir a imagem de alguém é ruim e o lado negro da força é o pior lado. Quando falamos em consciência, precisamos refletir sobre tudo aquilo que falamos sem nos dar conta do significado”, afirma.

A visão é semelhante a do artista plástico e educador Marco Tuim. “Quantos pretos não falam piadas de cunho racista ou empregam expressões como: ‘amanhã é dia de branco’ sem notar o que está falando?”, pondera.

Ronaldo acredita que o negro está sempre atrás da cortina em um contexto onde não há pretos no Legislativo Santista e onde o grupo ocupa menos de 10% de cadeiras na Câmara dos Deputados. “O porteiro preto se incomoda quando um preto mora no prédio de luxo. Ele foi condicionado a se incomodar com isso. O policial preto que mora na periferia é condicionado a achar que o preto favelado é marginal. Eu aprendi na escola a história da Europa e não a história da África: o preconceito está impregnado em tudo”, conta.

Tuim acredita que é preciso despertar, principalmente por meio da educação, uma consciência humana. “O racismo nunca acabou. Ele está aqui agora, velado. A minha certidão de nascimento dizia que eu era pardo e eu usava isso para me defender na escola quando as brincadeiras começavam. Só o conhecimento e a descobertas das minhas raízes me fizeram ter orgulho da melanina na minha pele e passar, principalmente pelo ensino da cultura afro-brasileira, esse orgulho para outras pessoas”, afirma. Ele é um dos fundadores do Grupo Zabelê de Cultura Popular, que atua na Vila dos Pescadores, em Cubatão.

Ele ressalta, no entanto, que  episódios como o que acontecei recentemente envolvendo um consagrado jornalista - gravado quando estava fora do ar - são comuns e recorrentes, principalmente nas grandes instituições. “Infelizmente muitos jovens desistem de cursos em universidades públicas por pressão de professores. Para quem é preto, o ato de resistir é natural”, conta.

Luta

Samara Faustino, presidente da Associação dos Cortiços do Centro de Santos, vivencia há anos os barreiras impostas aos menos favorecidos: a população que forma o grupo 10% mais pobre, com renda média de R$ 130 por pessoa na família, continua majoritariamente negra.

“É uma data de tristeza, pois acho que estamos voltando a um período de escravidão. Tivemos avanços sociais importantes, mas parece que nos últimos anos todas as conquistas estão indo embora. A população pobre tem cor, mas não tem voz e não tem voto, porque não tem estudo”, afirma Samara.

Integrante da velha guarda da X-9, Ruth Lázaro, de 85 anos, acredita que apesar dos obstáculos a sociedade está evoluindo na garantia de direitos e no fim do preconceito racial. “Era muito mais forte no passado. Continuo atuante no movimento negro, porque acho que é uma luta para a vida toda. Mas hoje luto feliz pelas conquistas que tivemos ao longo dos anos”, finaliza.

Estatísticas

Todo ano, 23.100 jovens negros de 15 a 29 anos são assassinados. São 63 por dia. Um a cada 23 minutos. Desemprego e trabalho infantil são maiores para esse grupo. A taxa de analfabetismo também.