X

Cotidiano

Conheça 8 mulheres que criaram grandes negócios e lideram marcas milionárias

Do trabalho de faculdade à otimização de tempo em sala de espera, empresárias tiveram excelentes ideias e criaram negócios lucrativos

Luana Fernandes

Publicado em 01/03/2023 às 15:31

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Foi pensando em conquistar todo Brasil e outros países da América e Europa, que a jovem nascida no interior de São Paulo, Camila Miglhorini, criou o Mr. Fit / Divulgação

Segundo pesquisa publicada pelo Sebrae, o Brasil é o 7° país com maior número de mulheres empreendedoras, que lideram mais de 10 milhões de empreendimentos. Contudo, apesar dos números expressivos, a diferença de gênero ainda é grande, já que apenas 34% dos negócios no país são comandados por elas. Mas, apesar dos desafios do dia a dia, as mulheres conquistam cada vez mais espaço e contam com histórias inspiradoras, seja de liderança em ambientes normalmente masculinos ou transformando ideias que surgiram em momentos inusitados.    

Julia Hueb, fundadora e CMO da Magnólia Papelaria

Júlia Hueb, formada em psicologia, viu sua trajetória profissional mudar após o noivo, Igor Vendas, que era funcionário em uma multinacional, ser convidado por um amigo a abrir uma uma franquia de vestuário em Brasília. Sem a possibilidade de tocar o negócio, já que mudaria de cidade a trabalho, Vendas combinou com a noiva, que clinicava como psicóloga e dava aulas em Cuiabá (MT), que ela tocaria inicialmente o negócio até o final das férias - algo que nunca aconteceu. Júlia inaugurou a primeira loja e o sucesso à frente do negócio foi tão grande que em pouco tempo já contavam com seis unidades. Já casados, mãe e pai de pet, eles conciliaram a gerência das lojas e criaram uma plataforma para ajudar pessoas a identificar lugares pet friendly. Foi por meio desta iniciativa que eles se aproximaram mais do colega de trabalho de Igor, Thiago Jaquines, que, junto com o irmão gêmeo, eram donos de uma fábrica de sorvetes. Entre outras ideias, o quarteto criou a Magnólia Papelaria, um negócio que nasceu para ser franqueável e se tornou em cinco anos a maior marca de papelaria organizacional do Brasil, atualmente com mais de 70 quiosques. 

Ellen Fernandes, fundadora e CFO da Red Fitness

Ellen Fernandes, na época atuando como enfermeira, junto com o esposo Ronaldo Godoi, educador físico, começaram o empreendedorismo com um estúdio de pilates em uma salinha da academia em que Ronaldo estagiava. Com o sucesso do empreendimento e uma dose de coragem, o casal foi aos poucos investindo na compra de equipamentos de academia de segunda mão, mas em bom estado, que foram armazenados na casa de familiares e vizinhos. Mudaram para um ambiente maior e nascia assim, há quase uma década, a rede de academias Red Fitness. Mesmo em meio a muitas dúvidas por causa da pandemia, eles inauguraram duas unidades, totalizando quatro unidades próprias. No ano passado entraram para o franchising, fechando 2022 com duas unidades vendidas, o que rendeu um faturamento de R$ 6,5 milhões.

Luciana Piquet, CEO do SPA Express

Uma ideia que surgiu na sala de espera de um consultório médico se transformou em uma rede que faturou R$ 8,3 milhões em 2022. Aos 23 anos, a paraibana Luciana Piquet levou um “chá de cadeira” e enxergou nisso uma oportunidade de negócio: oferecer serviços de manicure e pedicure nas salas de espera de consultórios. Com cinco mil reais emprestados pelo pai, nascia o SPA Express em 2011. Com o passar do tempo, o negócio evoluiu e o cardápio de serviços também. Os atendimentos passaram a ser realizados à domicílio e a empresa se tornou uma franquia com 50 operações em todo Brasil. À frente da marca, Luciana comemora: “Estamos inspirando outras empreendedoras. Nossa rede é formada 100% por mulheres, são mais de 50 franqueadas e 130 terapeutas na equipe, que mudaram de vida com o SPA Express”.

Ketty de Jesus, sócia-fundadora da Yes! Cosmetics

Assim como muitas outras mulheres, a professora Ketty de Jesus buscou a venda de cosméticos porta a porta como uma fonte de renda extra. “Eu era professora de Educação Física e para complementar a renda da família, comecei a trabalhar com cosméticos. Em determinada época, passei a ganhar mais como vendedora, que era um trabalho paralelo, do que como professora”, conta. Nos cinco anos que passou como distribuidora, a professora gerenciou cerca de sete mil revendedores, época em que conheceu o sócio e atual marido, Cândido Espinheira. Juntos lançaram a própria marca de produtos de beleza, a Yes! Cosmetics, que atualmente conta com 100 unidades em todo Brasil. Além disso, ano passado criaram o modelo cápsula, para os interessados poderem abrir uma franquia da marca em 3m² e investimento inicial a partir de R$ 70 mil.

Regina Jordão, CEO e fundadora do Pello Menos

Foi em 1996 que Regina Jordão, quando ainda era braço direito de um médico em uma clínica de estética em São Paulo, decidiu que seria hora de empreender. Com um telefonema do marido contando que tinha sido demitido, Regina, que já sonhava em se arriscar no empreendedorismo, decidiu montar um instituto de depilação, de maneira bem despretensiosa em uma salinha pequena localizada em Copacabana, bairro do Rio de Janeiro. Surgia ali a rede Pello Menos, marca especializada em depilação à cera e laser e pioneira nos serviços indolor e sem hora marcada no Brasil. Em mais de 25 anos, a franquia possui 45 unidades em três estados, Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. Para aquecer a retomada pós-pandemia, a empresária investiu R$ 50 mil na implantação do e-commerce com a venda de serviços avulsos e incorporou os clubes de assinatura, que hoje representam 18% do faturamento da rede e já tem mais de 8.500 contratos ativos.

Camila Miglhorini, CEO e fundadora da Mr. Fit

Enquanto algumas mulheres começam despretensiosamente no empreendedorismo, outras já vislumbram o mundo aos seus pés. Foi pensando em conquistar todo Brasil e outros países da América e Europa, que a jovem nascida no interior de São Paulo, Camila Miglhorini, criou o Mr. Fit, primeira rede de fast food saudável do Brasil. O negócio que nasceu formatado para ser franquia, teve sua primeira unidade aberta em 2013, na cidade de Paulínia, interior paulista, e hoje conta com mais de 500 unidades pelo Brasil e exterior. A rede encerrou o ano de 2022 na casa dos R$ 130 milhões de faturamento.

Vó Sônia, fundadora da Casa de Bolos 

Sônia Ramos, ou Vó Sônia, como é carinhosamente conhecida, colhe os frutos que começou em 2009, na cidade de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, quando fundou a Casa de Bolos, a maior rede de franquias de bolos do Brasil e pioneira no segmento. Tudo começou quando Rafael Ramos, seu filho caçula, perdeu o emprego e a família precisou encontrar uma maneira urgente de complementar a renda para fechar as contas do mês. A ideia de fazer os bolos caseiros e alugar uma pequena sala no centro da cidade conquistou não apenas a vizinhança local, como também pessoas que passaram a encomendar os doces e fazer o “boca a boca”, a propaganda mais eficaz do mundo. De bolo em bolo, o negócio prosperou, em 2011 entrou para o franchising e já passou da marca de 400 unidades em todo o Brasil, com mais de 100 sabores de bolos em versões convencionais, diet, integral, funcional, bolo caseiro no pote, bolo de aniversário, cucas e bolos baby.

Marize Vanzin, CEO da Zero Açucar Fitness

Há quem diga que família e negócios não se misturam. Casar e trabalhar na empresa dos sogros pode ser considerado arriscado, mas Marize Vanzin não se importou e, dois anos após o oficial sim, aceitou a proposta do marido Adamur Vanzin. Com a experiência adquirida na indústria têxtil e o sucesso da empresa, ela largou o emprego na área financeira e se aventurou pelo mundo das confecções, criando sua marca, a Zero Açucar Fitness. Com R$10 mil de economia e R$20 mil emprestados da mãe, hoje possui duas áreas fabris, duas lojas próprias, uma conceito e outra no formato para operar franquia, que no ano passado também já inaugurou as duas primeiras operações. Para os próximos cinco anos, a franqueadora prevê a abertura de mais 80 unidades. A companhia fechou 2022 com faturamento de R$ 9 milhões.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

ATENÇÃO

Nova fase das obras do VLT alteram trânsito de Santos; veja pontos

Obras tem a previsão de terminar no dia 30 de julho

INVESTIGAÇÃO

Caminhoneiro é sequestrado e mantido refém após descarregar carga no Porto de Santos

Homem de 42 anos disse à Polícia Civil que um dos criminosos estava armado; caso é investigado e criminosos são procurados

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter