Comunidade denuncia irregularidades na contratação de pessoal e alojamentos

Moradores de pelo menos sete bairros e comunidades carentes de Cubatão se reuniram para pedir providências contra os supostos transtornos causados pelos trabalhadores residentes em alojamentos de empreiteiras

Comentar
Compartilhar
19 JAN 201319h36

Moradores de pelo menos sete bairros e comunidades carentes de Cubatão se reuniram ontem com a prefeita Márcia Rosa e seu secretariado e também com representantes do Ciesp Cubatão para pedir providências contra os supostos transtornos causados pelos trabalhadores residentes em alojamentos de empreiteiras.

Outra denúncia da população foi contra a contratação massiva de mão-de-obra de fora em vez de trabalhadores cubatenses cadastrados no Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT). A reunião que durou cerca de três horas emocionou a prefeita que se comprometeu juntamente com sua equipe a atender as reivindicações feitas.

Um dos alojamentos citados foi o instalado no canteiro de obras do conjunto habitacional Rubens Lara, que está sendo erguido pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), no parque São Luiz, região do Jardim Casqueiro. Nas obras trabalham cerca de 369 pessoas, sendo que 170 moram no alojamento.

De acordo com moradores do entorno, trabalhadores estariam causando tumultos e transtornos junto aos vizinhos. Os alojamentos instalados na Cidade abrigam trabalhadores contratados em outros municípios, inclusive de outros estados para as empreiteiras prestadoras de serviço à Usiminas.

A vice-presidente da Sociedade de Melhoramentos do Jardim Casqueiro, Simone Tenório, denunciou que a contratação de mão-de-obra de fora da Cidade é uma prova da quebra do Pacto de Emprego firmado entre a Prefeitura e o Ciesp Cubatão (representante das indústrias locais). O pacto, segundo explica Simone, consiste em uma garantia de recrutamento de trabalhadores de Cubatão.

Estavam presentes à reunião lideranças comunitárias da Ilha Caraguatá, Vila São José, Vila Natal, Vila Esperança, Noel, Vila dos Pescadores, Jardim Casqueiro, Parque São Luiz, bairros Cota e núcleo Caíque. Os sindicalistas Djalma Sutero da Silva (Sindilimpeza) e Geraldino Cruz Nascimento (Sintracomos) também participaram da reunião.

Moradores ouvidos pela prefeita denunciaram ainda que trabalhadores de outras cidades informam endereços de Cubatão como residência em suas fichas cadastrais.

Após ouvir todas as queixas e denúncias, a prefeita não conteve as lágrimas e declarou que retomaria o diálogo com as indústrias para o cumprimento do Pacto de Emprego que garante a contratação de trabalhadores cadastrados no PAT de Cubatão.

“Tem que ter compromisso. Se não tiver eu me junto com o povo e vou bater panela. Estou do lado da Cidade e estou do lado da indústria desde que a indústria esteja do lado do povo”, enfatizou Márcia Rosa.

O secretário de Indústria, Comércio, Porto e Desenvolvimento, Benito Santiago Martinez Gonzalez, apresentou relatório da vistoria pela comissão de alojamentos da Prefeitura no alojamento do canteiro de obras da CDHU, onde foram observadas condições insalubres nas instalações para os trabalhadores, como falta de ventiladores e material de higiene pessoal.

O diretor do Ciesp Cubatão, Raul Elias Pinto, presente à reunião, após ouvir os relatos dos moradores, da prefeita e do secretário Benito Gonzalez, afirmou que as evidências das denúncias devem ser formalizadas e os documentos encaminhados ao Ciesp para análise dos fatos e tomada de ações por parte das empresas citadas.

Ao final da reunião, a prefeita anunciou que encaminhará um ofício à Ciesp solicitando reunião junto à empresa Usimec (recrutadora de mão-de-obra da Usiminas) e um representante de cada sociedade de melhoramentos.

Outro ofício e relatório sobre a situação dos empregos na Cidade será enviado à Sabesp, à CDHU, à Secretaria estadual do Emprego e Relações do Trabalho, ao governador José Serra e à Assembléia Legislativa, através do deputado Fausto Figueira (presente à reunião). A denúncia será apresentada ainda ao Ministério Público de responsabilização social.

Após a reunião, a prefeita se reuniu com a equipe jurídica e vereadores presentes para estudar a legislação municipal de modo a estabelecer mais rigor na instalação de alojamentos na Cidade. O trabalho deverá ser enviado hoje à Câmara Municipal.