Comércio aposta na diversidade para atrair a clientela

Os comércios de Santos, nos últimos anos, estão investindo em novos ares e decorações para conquistar o público

Comentar
Compartilhar
09 ABR 2018Por Rafaella Martinez09h20
Os comércios de Santos, nos últimos anos, estão investindo em novos ares e decorações para conquistar a clientelaFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Esqueça as cadeiras enfileiradas, os rótulos tradicionais de bebidas e as porções. Se é verdade que em tempos de crise econômica todos precisam se reinventar, os comércios de Santos dão um show à parte e nos últimos anos estão investindo em novos ares e decorações para conquistar a clientela.

Inaugurado há um ano, o StormiX Lab é um dos exemplos dessa mudança de comportamento do comércio. Aberto inicialmente com o intuito de ser uma multiloja com destaque para a venda de roupas, hoje o espaço agrega também um estúdio de tatuagem, uma cafeteria e um pub com música ao vivo, além de diversos jogos de tabuleiros para diversão.

“A ideia de uma multiloja surgiu justamente por conta do momento de crise que vivemos e pela dificuldade de fechar as contas no final do mês. Chegamos a Santos receosos e já com a proposta de ser diferente, mas foi somente após uma necessidade de nos reinventarmos que conseguimos fidelizar o público”, conta Felipe Lopes, dono do estabelecimento.

A dinâmica do bar é diferente do convencional: uma mesa de sinuca ocupa parte do espaço, ao lado de varais com roupas. Diversos jogos de tabuleiros estão dispostos em prateleiras e um fliperama está instalado ao lado de um videogame, em frente ao espaço destinado para o estúdio de tatuagem. Tudo é aberto e livre para os clientes. Os lanches são feitos em uma bike food instalada na porta da loja.

“A ideia era criar uma área de confraternização, mas percebemos que as pessoas queriam comer algo e por isso fomos atrás da bike. Já teve fila indiana para fazer tatuagem e notamos que as pessoas estão gostando de brincar no espaço. Esse é o termo certo: brincar. E dessa brincadeira ele decide comprar uma roupa, tomar um café, rabiscar a pele...”, conta Felipe.

 

Bares temáticos

Tudo começou há nove anos, quando os sócios Clibas Chasseraux, Rodolfo Kazuo, Bruno Merlin e Rafael Fernandez decidiram abrir um bar temático sobre a Austrália. Para isso, buscaram referências sobre a cultura, os pratos típicos e a decoração e o resultado veio com o público: hoje considerado um dos maiores pubs santistas, o Australiano Bar reúne pessoas de todas as tribos na esquina da Avenida Siqueira Campos com a Rua Epitácio Pessoa.

A ideia foi tão bem acolhida que, mesmo em um período de crise, o grupo decidiu apostar em dois novos bares temáticos: o Tiki Bar – quase em frente ao Australiano - e o Mercearia, localizado na Rua Gastronômica Toletino Filgueiras.

“É engraçado, pois muita gente pensa que o Tiki é um bar havaiano, mas na verdade ele é um bar tiki mesmo, que nada mais é do que a visão que o americano da década de 50 tinha do Havaí. Buscamos nesse espaço destacar a culinária do pacífico e é normal vermos pessoas sem blusa, vindas da praia, sentadas e almoçando aqui conosco. Essa é a pegada e a filosofia do espaço, que sempre buscou por funcionários que também tivessem esse estilo de vida”, conta Clibas.

Ex-estudante de história da arte, foi na Europa que o empresário começou a ter contato com o ambiente dos bares temáticos e a necessidade de abrir outras oportunidades para o público. “Há um lado poético e um comercial. Fomos muito felizes ao explorar o tema Austrália e buscamos novos temas. Coincidiu de ser sempre algo geográfico”, conta.

Na visão dele, períodos de instabilidade econômica como o que assola hoje o Brasil impactam em todos os setores, mas é preciso se reinventar. “O que afeta é a concorrência forte com a retração do mercado. Nenhuma casa está lotada e isso nos frustra bastante. As pessoas estão deixando de sair para se divertir. Mas não deixa de ser benéfico, pois a postura comercial está mudando e nichos diferentes estão surgindo. O público ganha em ­qualidade, sem dúvida”, ­finaliza.