Com terceira etapa, Guarujá soma 53 casos confirmados em pacientes assintomáticos

Próxima e última etapa dos testes aleatórios acontece entre os próximos dias 17 a 20; em cada fase foram aplicados 434 testes

Comentar
Compartilhar
04 JUN 2020Por Da Reportagem22h02
Na primeira etapa, o levantamento registrou sete casos da doença, na segunda outros 18 e mais 28 positivados na terceira faseFoto: Divulgação/PMG

Guarujá já tem um total de 53 casos confirmados da Covid-19 em pacientes assintomáticos, de acordo com a pesquisa regional denominada Epidemiologia da Covid-19 na Baixada Santista (Epicobs), que realiza testes aleatórios.

Na primeira etapa, o levantamento registrou sete casos da doença, na segunda outros 18 e mais 28 positivados na terceira fase, concluída ao final do mês passado. Em cada fase foram aplicados 434 testes.

A expectativa é que mais de 1.700 pessoas sejam testadas aleatoriamente em Guarujá, de um total de 10 mil em toda a Baixada Santista. Na ação, os agentes de saúde da Prefeitura são distribuídos entre 13 bairros da Cidade.

De acordo com o diretor de Vigilância em Saúde, Marco Antônio Chagas da Conceição, a pesquisa também é baseada no número de habitantes da Cidade, que atualmente é de 316.405 mil pessoas, conforme dados da Seade. "Com isso, o levantamento regional demonstra então que temos 6,57% da população infectada pelo novo coronavírus, em pacientes assintomáticos, ou seja, que não apresentam sintomas da doença".

A próxima e última fase acontece de 17 a 20 deste mês. Porém, até agora, a pesquisa regional já indica que a doença segue em ascensão na Baixada, e de maneira mais acentuada nos últimos 15 dias inclusive. Portanto, os resultados da pesquisa não permitem sustentar tecnicamente medidas de flexibilização do isolamento social neste momento.

A Epicobs visa desenvolver um mapeamento do percentual de indivíduos (de todos os bairros e escolhidos aleatoriamente, por meio de sistema informatizado) que já tiveram contato com o novo coronavírus. Nela, o exame utilizado é diferente do que é feito na fase sintomática e quando a pessoa procura uma unidade de saúde, onde o que é colhido é a secreção das mucosas oral e nasal, visando identificar se há presença do vírus no presente momento.

Na testagem aleatória, os munícipes recebem em casa a visita de agentes comunitários de saúde e profissionais de enfermagem, que chegam identificados por crachá e em veículo da Prefeitura, com equipamentos de proteção individual (máscara, óculos e avental).

Realizado mediante autorização da pessoa, o exame consiste na realização de um pequeno furo na polpa de um dos dedos para extrair o sangue, por meio de uma lanceta descartável. Em seguida, a amostra é colocada no teste, que após 15 minutos emite o resultado. Ao término, os munícipes respondem a um questionário de informações socioeconômicas e pessoais como sexo, idade, profissão. Eles recebem um termo contendo todas as informações do estudo e um telefone para tirar dúvidas.

A compra dos equipamentos para os exames foi financiada pela Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem), com a realização da Fundação Parque Tecnológico de Santos e reúne mais de 40 pesquisadores de todas as universidades da Região.